Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de setembro de 2017. Atualizado às 00h18.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Municípios

Notícia da edição impressa de 14/09/2017. Alterada em 13/09 às 21h41min

Vereadores de Montenegro votam impeachment do prefeito Luiz Américo Aldana

A Câmara de Montenegro iniciou, nesta quarta-feira (13), o julgamento do impeachment do prefeito Luiz Américo Alves Aldana (PSB). Se for aprovada a cassação pela maioria dos 11 vereadores, o prefeito poderá também perder seus direitos políticos, assumindo em definitivo o vice Carlos Eduardo Müller (SD).
O processo, instaurado a partir de denúncia de dois eleitores, foi motivado por suspeita de irregularidades em quatro pontos: em obras adicionais de asfaltamento de ruas da cidade, que teriam sido feitas sem licitação ou aditivo; no superfaturamento na prestação do serviço de transporte escolar das escolas públicas do município; na prorrogação indevida da concessão de transporte público; e na ausência de Aldana da prefeitura entre 13 e 24 de janeiro, sem a devida comunicação à Câmara.
O prefeito não está presente durante o julgamento. Na sexta-feira passada, o relator da comissão processante, o vereador Cristiano Von Braatz (PMDB), entregou suas considerações finais, nas quais pede o afastamento de Aldana.
Segundo o documento, "a desconfiança pública contra suas atitudes é latente, fazendo com que sua permanência seja inviabilizada sob pena de perdurar este estado de completa desorganização administrativa que Montenegro hoje vive e custa a se desvencilhar". Além do processo de impeachment, Aldana está afastado da prefeitura desde 9 de agosto por ordem do Ministério Público, que investiga a possível participação dele em fraudes licitatórias.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia