Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de setembro de 2017. Atualizado às 15h08.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 13/09 às 15h10min

Apoio a Lula chega aos assuntos mais comentados do Twitter

Pouco antes do início do depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao juiz Sérgio Moro, manifestações de apoio ao petista foram publicadas às centenas na internet e chegaram os 'trending topics' (assuntos mais comentados) do Twitter. Lula está em Curitiba e presta depoimento a Moro no âmbito do processo que apura suposta corrupção passiva e lavagem de dinheiro na compra pela Odebrecht do terreno em que seria construída a sede do Instituto Lula em São Paulo.
A hashtag #ToComLula ocupa a primeira posição da lista no Brasil e a terceira colocação no ranking global. Políticos do PT, artistas e apoiadores do ex-presidente têm se manifestado na rede social.
As palavras de apoio a Lula dividem espaço com críticas à atuação de Moro na Operação Lava Jato. "Provas e mais provas contra Geddel, Temer, Aécio... mas Moro quer Lula, mesmo sem provas. #LulaXMoro #ToComLula", publicou o senador Lindbergh Farias (PT-PB). O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) é outro que usou o Twitter para condenar a atuação de Moro no processo e manifestar apoio a Lula.
O uso da hashtag, entretanto, não é exclusivo de defensores do ex-presidente. Internautas contrários a Lula também publicaram, ainda que em escala muito menor, mensagens ironizando a expressão. "#EuNão #ToComLula", escreveu um usuário da rede, que também publicou uma montagem do ex-presidente atrás das grades.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia