Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de setembro de 2017. Atualizado às 19h32.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 12/09 às 19h37min

Padilha: Funaro quer criar condições para ter situação melhor como prisioneiro

Padilha disse que as citações feitas a ele na delação de Funaro já foram explicadas

Padilha disse que as citações feitas a ele na delação de Funaro já foram explicadas


FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL/JC
O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, tentou minimizar a delação do Lucio Funaro e disse que ele está tentando criar melhor condições já que está preso. "Como eu vejo? É um problema dele, ele procura criar condições para ter uma melhora na situação de prisioneiro, usa recursos disponíveis", afirmou.
Padilha disse que as citações feitas a ele na delação de Funaro já foram explicadas. "No meu caso específico, conheci o doutor Mariz em maio. O Daniel Gerber só contactei depois que não era mais advogado. O Eduardo Ferrão é meu amigo há mais de 30 anos, eu converso com ele, mas ele não advogou para o Funaro na Lava Jato", afirmou.
O delator vinculou Padilha ao que acredita ser uma tentativa de monitorar sua disposição de formalizar acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal. Funaro disse em depoimento a investigadores que Padilha era próximo ao escritório do criminalista Eduardo Ferrão, que, por sua vez, tem relações com o advogado Daniel Gerber, que atuou na defesa do corretor. Ele também acusa outro advogado de quem foi cliente, o criminalista Antonio Claudio Mariz de Oliveira, defensor e amigo do presidente Michel Temer. Funaro já havia feito acusação semelhante ao ex-ministro Geddel Vieira Lima, que está preso.
Ao ser questionado se acredita que o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, ainda vai enviar uma segunda denúncia contra Temer, Padilha disse que essa é uma questão que cabe ao procurador, mas que "denúncia com fundamento acho muito difícil, porque não há fato novo".
Ao comentar o relatório da Polícia Federal sobre o chamado "quadrilhão" do PMDB na Câmara dos Deputados que apontou indícios de que ele, Temer, e o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral) cometeram crime de corrupção e também o pedido de abertura de inquérito contra o presidente para apurar fatos relacionados ao Decreto dos Portos feito pelo o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, Padilha disse que "as noticias não são agradáveis no campo político, mas na área econômica temos as melhores notícias".
Segundo o ministro, o presidente já soltou uma dura nota na qual "externa a indignação com relação a injustiça e as acusações sem fundamento" que são dirigidas contra ele. Assinada pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, a nota diz que "facínoras roubam do País a verdade". "Bandidos constroem versões por ouvir dizer a lhes assegurar a impunidade ou alcançar um perdão, mesmo que parcial, por seus inúmeros crimes. Reputações são destroçadas em conversas embebidas em ações clandestinas", diz o texto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia