Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de setembro de 2017. Atualizado às 23h47.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 13/09/2017. Alterada em 12/09 às 21h25min

Operadoras Tim e Vivo prestam esclarecimentos em CPI da Telefonia

Nagelstein cobrou presença de integrantes para evitar falta de quórum

Nagelstein cobrou presença de integrantes para evitar falta de quórum


HENRIQUE FERREIRA BREGÃO/CMPA/JC
Carlos Villela, especial para o JC
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga os problemas no serviço de telefonia móvel da Capital vai promover uma reunião, na manhã desta quarta-feira, pela primeira vez desde o começo dos trabalhos do grupo, com a presença de companhias telefônicas. Marcada para começar às 10h, a reunião tem como convidadas as empresas Tim e Vivo.
Previamente, houve encontros com representantes do Sindicato de Engenheiros do Rio Grande do Sul (Senge-RS), Procuradoria-Geral do Município de Porto Alegre (PGM), Programa de Defesa do Consumidor (Procon) Porto Alegre, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).
A CPI enfrentou um problema pela baixa frequência de presença dos parlamentares, culminando em uma reunião com procuradores do Ministério Público que foi cancelada por falta de quórum. O vereador Valter Nagelstein (PMDB), que disse ter sido embaraçosa a situação de ter que dispensar os procuradores, manifestou a necessidade de participação dos vereadores nos trabalhos, afirmando que é uma das principais funções do cargo. Desde então, os vereadores Rodrigo Maroni (Pode) e Moisés Maluco do Bem (PSDB) já deixaram a CPI, o primeiro por afirmar que a atuação nesta CPI não está no escopo de seu mandato focado em direitos animais e o segundo por compromissos prévios. O vereador Mauro Zacher (PDT) manifestou interesse em sair por acreditar que a CPI não dará frutos.
Na próxima reunião da CPI, marcada para semana que vem, representantes das companhias Oi e Claro estarão na Câmara de Vereadores para prestar os mesmos esclarecimentos. A CPI tem Nagelstein como presidente, Roberto Robaina (PSOL) como vice-presidente, Adeli Sell (PT) como relator e Wambert Di Lorenzo (Pros) como vice-relator.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia