Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de setembro de 2017. Atualizado às 23h47.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise política

Notícia da edição impressa de 13/09/2017. Alterada em 12/09 às 22h39min

Supremo pode investigar 'tesouro' de Geddel

A investigação sobre o "tesouro" escondido pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) poderá ser enviada nos próximos dias para análise do Supremo Tribunal Federal (STF). O motivo é que, em operação deflagrada na semana passada, a Polícia Federal (PF) encontrou indícios de envolvimento do deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) - irmão de Geddel - nos crimes sob investigação. Conforme a Constituição, congressistas têm foro por prerrogativa de função e só podem ser alvos de inquéritos criminais que tramitem na Corte.
 
No depoimento prestado à PF, o dono do apartamento em que foram encontrados R$ 51 milhões, Silvio Antônio Cabral da Silveira, disse que foi Lúcio quem pediu o imóvel emprestado e que o fez em nome da amizade com o parlamentar, embora não conhecesse o peemedebista.
 
Hoje, Geddel deve pedir afastamento de sua função de primerio-secretário da direção nacional do PMDB. A tendência é que a solicitação seja aceita pela cúpula. A solicitação foi costurada em uma tentativa de isolar a crise aberta pela prisão do ex-ministro e amenizar a contaminação do presidente Michel Temer (PMDB) pelo episódio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia