Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de setembro de 2017. Atualizado às 23h42.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

Notícia da edição impressa de 13/09/2017. Alterada em 12/09 às 21h21min

Gilmar Mendes suspeita que foi gravado por Joesley

Gilmar Mendes não quis comentar o episódio ao chegar no STF

Gilmar Mendes não quis comentar o episódio ao chegar no STF


CARLOS MOURA/SCO/STF/DIVULGAÇÃO/JC
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspeita que tenha sido gravado pelo empresário Joesley Batista, dono do grupo J&F.
Segundo a reportagem apurou, Mendes e Joesley se encontraram pessoalmente em Brasília, no Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), do qual Mendes é sócio. A audiência teria sido pedida pelo diretor jurídico do Grupo J&F, Francisco de Assis e Silva, mas Joesley também apareceu no encontro.
A conversa, que ocorreu em abril deste ano, teria sido agendada por conta de um julgamento do STF que reconheceu a constitucionalidade da contribuição do empregador rural pessoa física ao Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). A decisão foi tomada no julgamento de um recurso ajuizado pela União contra decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que afastou a incidência da contribuição.
O resultado do julgamento preocupou o setor agropecuário, que pedia uma modulação dos efeitos da decisão.
Em áudio entregue à Procuradoria-Geral da República (PGR), Joesley e o executivo Ricard Saud falam sobre "dissolver o Supremo".
O ministro Gilmar Mendes não quis comentar o episódio ao chegar para a sessão da Segunda Turma ontem à tarde. "Eu já falei tudo", desconversou.
Na sessão de ontem, Gilmar questionou o emprego das delações premiadas no País e criticou a atuação do ministro Edson Fachin na homologação da delação da JBS.
"Não invejo seus dramas pessoais, porque certamente poucas pessoas ao longo da história do STF se viram confrontadas com desafios tão imensos, grandiosos. E tão poucas pessoas na história do STF correm o risco de ver o seu nome e o da própria Corte conspurcado por decisões que depois vão se revelar equivocadas", disse Gilmar Mendes a Fachin.
"Ter sido ludibriado por Miller (o ex-procurador da República Marcello Miller, acusado de ter atuado para o grupo J&F antes mesmo de se desligar da PGR) et caterva (e comparsas) e ter tido o dever de homologar isso deve-lhe impor um constrangimento pessoal muito grande nesse episódio", completou Gilmar Mendes.
Fachin rebateu Mendes e afirmou que a sua alma está em paz. "Agradeço a preocupação, mas parece-me que julgar de acordo com a prova dos autos não deve constranger a ninguém, muito menos um ministro da Suprema Corte."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia