Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de setembro de 2017. Atualizado às 15h36.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

STF

Alterada em 11/09 às 15h40min

Barroso será relator de pedido de abertura de inquérito contra Temer no STF

Agora, cabe ao ministro decidir se abre ou não as investigações contra o presidente

Agora, cabe ao ministro decidir se abre ou não as investigações contra o presidente


EVARISTO SA/AFP/ARQUIVOJC
Agência O Globo
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi sorteado o novo relator de uma pedido de abertura de inquérito feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para investigar a suposta participação do presidente Michel Temer em irregularidades no chamado "decreto dos portos".  Em junho, quando denunciou Temer por corrupção passiva com base na delação da JBS, Janot também pediu que fosse aberto um novo inquérito em razão do "decreto dos portos".
Em conversas gravadas, o presidente da República e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) - ex-assessor especial de Temer flagrado ao receber uma mala de R$ 500 mil no estacionamento de uma pizzaria - falam da edição de um decreto que trataria da exploração de portos. A suspeita é de que pode ter havido pagamento de propina.
O caso foi encaminhado para Fachin automaticamente, porque ele é o relator das investigações da JBS no Supremo. Em ofício, Janot pediu que o caso fosse sorteado para outro relator, porque não se tratava de caso relacionado à Lava-Jato.
Na semana passada, o ministro encaminhou o caso para a presidente do tribunal, ministra Cármen Lúcia, que decidiu sortear para outro ministro. Agora, caberá a Barroso decidir se abre ou não as investigações.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia