Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de setembro de 2017. Atualizado às 16h43.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 13/09/2017. Alterada em 12/09 às 19h40min

A necessária revitalização do 4º Distrito

Mauro Zacher
Em fevereiro, o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) anunciou, diante de empresários e lideranças comunitárias, a sua disposição de não interromper o processo de revitalização do 4º Distrito. Em curso há muitos anos, com a potencialização do projeto Masterplan, que pretende atrair para o local empresas da área médico-hospitalar e de inovação criativa, nos campos da comunicação, cultura, lazer e tecnologia da informação, muitos avanços aconteceram nos últimos 12 anos. Infelizmente, passaram-se seis meses de governo, e até o momento nada aconteceu e, por isso, protocolamos, na Câmara Municipal, a criação de uma Frente Parlamentar em Defesa da Continuidade do Projeto de Revitalização do 4º Distrito.
A medida é uma resposta às pessoas que investiram tempo, trabalho e recursos para que o projeto vingasse. Diante da sua estagnação, agravada pela crise financeira, é grande o risco de que esses investidores, já interessados em apostar em algumas das atividades econômicas propostas no projeto resultante do convênio entre o Núcleo de Tecnologia Urbana da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) com o Executivo, abandonem o barco.
O Masterplan, em sua essência, contempla o uso de espaços com edificações de perfil inovador e que insiram construções tombadas pelo patrimônio histórico, e para isso propõe um novo regime urbanístico para região. A ideia é criar estrutura e organização para a exploração das atividades, atrair investidores e diversificar a reocupação da região.
Entre as novidades está previsto um terminal hidroviário, prédios para empresas e startups, dois centros, um clínico e hospitalar metropolitano, e outro para eventos. A proposta traz soluções paisagísticas, que multiplicam em oito as áreas verdes, para mitigar os alagamentos, além de quadras reservadas para lojas de design e mobiliários, praça das artes e moradias sociais.
Vereador de Porto Alegre (PDT)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Jorge Piqué 15/09/2017 15h41min
No texto se fala em atrair a economia criativa para a região.nApenas lembrando que muito antes do plano ser proposto pela Prefeitura, foi criado em 2013 o Polo Distrito Criativo de Porto Alegre, que hoje já inclui mais de 80 atividades de economia criativa, do conhecimento e da experiência, com mais de 600 empregos diretos e indiretos. nO Distrito C continuamente atrai mais economia criativa para a região do bairro Floresta e em breve estaremos também no bairro São Geraldo.nhttps://goo.gl/y9RJyX
Alvaro Kniestedt 13/09/2017 17h36min
O 4º Distrito é uma das regiões da cidade que mais sofreu com a estagnação do comércio de bairro e sua migração para o modelo de "shopping". O promissor movimento de reestruturação e revitalização desta região está abandonado pelo atual Prefeito que se ocupa de choramingar ao invés de agir. Por conhecer bem a região e seus moradores, lamento o retrocesso.