Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 10 de setembro de 2017. Atualizado às 22h46.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 11/09/2017. Alterada em 10/09 às 19h31min

Advogado negociador

Antônio Carlos Côrtes
Atuando preteritamente na presidência de órgão estatal, ouvi de uma integrante que admirava nosso jeito de mediar conflitos. Só então me dei conta que faço isto há mais de 40 anos na advocacia e fora dela. Sempre busquei conciliação ou negociação como primeiro objetivo do bem comum. Na dúvida entre o direito e a justiça, abraço esta última.
Aprendi com mestres como os professores Galeno Lacerda e Pereira Leite. O advogado, ainda que em tempos de delação premiada, é um negociador, antes de defender os interesses do cliente em juízo. O velho chavão prevalece sempre: "o pior acordo é melhor que qualquer demanda judicial".
Alessandra Gomes do Nascimento Silva leciona que o advogado precisa, a todo o momento, negociar, seja com seu cliente, colegas de escritório ou empresa e advogados da parte adversa. É da natureza da advocacia negociar, especialmente em tempos de crises. Tire o "s" e crie. Escuta o reclamo do cliente. Explica seu direito.
A tendência do Judiciário naquele momento. A possibilidade do êxito. Administrar o conflito à exaustão. Não se trata de ganhar ou perder. Um processo não é loteria. Aproxima-se da máxima do Celso Juarez Roth. Equilíbrio ou no dizer do Hélio dos Anjos: é preciso flutuar. O rito da negociação vai aliviar a lenta máquina do Poder Judiciário, pois o número de processos aumenta dia a dia.
Devemos, conscientemente, buscar Justiça, e não vingança. Lisiane Lindenmeyer Kalil ensina que o caráter preventivo na negociação, pode evitar dano às partes.
Aduzo: cicatrizes permanentes precisam ser evitadas, pois demarcam almas. Ruy Barbosa lecionou que "Uma queda serve de ponto de partida para se subir mais alto". Código de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil sugere que é obrigação do advogado "estimular a conciliação entre os litigantes, prevenindo, sempre que possível, a instauração de litígios" (art. 2º, parágrafo único, VI).
Ouso dizer que negociação quer dizer negar a ação em primeiro momento. Dar ré para solver o conflito: resolver. O advogado é técnico que acumula conhecimento e sabedoria. Ademais, uma negociação poderá ocorrer, antes, durante e até depois de sentença judicial. Enfim, cabe sempre.
Advogado
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia