Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 18h19.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 06/09/2017. Alterada em 05/09 às 18h57min

Paixão Cortes e as nossas raízes

João Firme
Inestimável é a contribuição de Paixão Cortes como pesquisador e divulgador do folclore gaúcho, que o ligam à área publicitária rio-grandense.
Em 1961, na TV Piratini, hoje TVE, foi o astro do primeiro programa de TV em videotape do Rio Grande do Sul, exportado semanalmente para São Paulo (Tupi), Rio de Janeiro (Continental) e Recife com o nome que idealizamos, "Cidades Gaúchas", contendo imagens e potencialidades econômicas dos primeiros municípios do Estado e de danças gaúchas.
Desfilaram nas câmeras os melhores CTGs, Erico Veríssimo, com sua Cruz Alta, Paulo Brossard, Alberto André, Mario Quintana, Vasco Prado, Caringe de Pelotas, os artistas Lupicínio Rodrigues, Salvador Campanela, Plauto da flauta, Braguinha do cavaquinho, Nelson Gonçalves, Francisco Lopes, Teixeirinha, Teresinha Monteiro, Túlio Piva, Nico Fagundes, Lauro Rodrigues, Lamaison Porto, Cândido Norberto, Carlos Nobre, Rubens Alcântara, Maurício Sobrinho, Paraná e seu regional da Gaúcha, entre outros. O Paixão dos gaúchos ajudou na criação, pela Arauto Publicidade, dos anúncios para a Saphira, "A erva que não entope"; "Chega de café de chaleira"; o comercial do gauchinho Grazzito, da Grazziotin, que aparecia às 21h pela TV para avisar as crianças que era hora de dormir (alegria dos pais); e, por uma semana, foi a estrela da Semana Gaúcha no Hotel Comodoro, em São Paulo, onde recepcionava autoridades, empresários, imprensa e o público. Ele vendia o Rio Grande do Sul, que estava presente com estandes de frigoríficos, vinhos, calçados, malharias, erva-mate e produtos industrializados de óleos de soja, trigo e milho. Um seleto público degustava o primeiro milagre de Cristo, que, a pedido da mãe, num casamento, transformou a água em vinho.
O trabalho do engenheiro-agrônomo Paixão Cortes repercutiu tanto que a Banda Tom Bloch interpretou a música "Jardim", composta especialmente para o 14º Festival Mundial de Publicidade de Gramado de 2005. Lembra que temos nossas raízes com esta maravilha de letra: "Brotem para o mundo, mas guardem a aldeia em que nasceram".
Publicitário e jornalista
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia