Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 18h14.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 06/09/2017. Alterada em 05/09 às 18h56min

Segunda passagem

Antônio Augusto Lovatto
É verdade que o sistema de transporte coletivo de Porto Alegre vem perdendo passageiros, em especial pagantes. A principal causa não é a crise econômica, mas uma série de decisões equivocadas do setor público. Poderia mencionar a falta de priorização do transporte coletivo sobre o individual, que o torna cada vez mais lento e menos atrativo, mas o maior responsável pela queda no número de passageiros pagantes é, sem dúvida, o estrondoso aumento na concessão de gratuidades.
Analisando dados da EPTC, em 2002, foram transportados mensalmente 24 milhões de passageiros pagantes. Em 2010, essa média caiu para 19,6 milhões e, em 2017, para 17,8 milhões. Ao longo desse período, ocorreram dois fatos determinantes para a queda de 30%. Em 2008, foi concedido o desconto de 50% na segunda passagem. Em 2011, a isenção passou a ser de 100%. Em ambos os momentos, o argumento das autoridades foi de que haveria um aumento na quantidade de usuários, o que consequentemente reduziria a tarifa. No entanto, passados quase 10 anos, o resultado foi desastroso: Porto Alegre passou a ter 36% de gratuidades, o número mais expressivo entre as capitais brasileiras, que isentam de pagamento em média 21% dos passageiros. Assim sendo, se aqui fosse praticado o patamar nacional médio de isenções, o valor atual da tarifa seria de R$ 3,48, e não R$ 4,05. A política do subsídio cruzado, neste caso, não deu certo, pois o aumento do uso do transporte coletivo não ocorreu. Pelo contrário, fez com que 87% dos usuários que não realizam a integração pagassem R$ 0,57 a mais. Comparações com sistemas de transporte coletivo internacionais e até de outros estados têm sido feitas. Esquecem, todavia, de informar quem está pagando a conta. Por aqui, 64% dos passageiros. Por lá, subsídios governamentais arcados por toda a sociedade.
Engenheiro da Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Alvaro Kniestedt 06/09/2017 10h04min
De fato, falta uma verificação mais ampla dos resultados do que é aqui chamado de "benesse". Faltam verificar muitos números, em especial aqueles que poderiam indicar a o alcance social da "benesse", ou seja, quantas famílias conseguiram melhorar sua condição de vida, obtendo emprego mesmo morando afastada de seu trabalho. Essa é apenas uma verificação possível. Mas concordo que é mais complexa. Mais fácil é olhar para o lucro do transporte coletivo e fazer disso o argumento.