Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 30 de setembro de 2017. Atualizado às 13h31.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Alterada em 30/09 às 13h36min

Governo da Catalunha terá dificuldades técnicas para realizar plebiscito

Manifestantes seguram bandeiras espanholas em demostração contra a independência da Catalunha, em Barcelona

Manifestantes seguram bandeiras espanholas em demostração contra a independência da Catalunha, em Barcelona


PIERRE-PHILIPPE MARCOU/AFP/JC
O governo da Catalunha está enfrentando dificuldades para distribuir urnas e cédulas aos locais de votação para o plebiscito sobre a independência da região. A polícia da Catalunha já confiscou 10 milhões de cédulas e, neste sábado, estava bloqueando a entrada de várias escolas para impedir que elas sejam usados como locais de votação. A polícia deu prazo até as 6h de domingo para que pais, alunos e ativistas que estão ocupando escolas e querem o plebiscito deixem os locais. A votação está prevista para começar às 9h.
Enric Millo, a maior autoridade do governo espanhol na região, disse que serão toleradas votações informais nas ruas da Catalunha, já que elas não são consideradas válidas. "Eles podem colocar uma mesa improvisada na rua, com alguns baldes, e colocar papeis neles", disse Millo. Ele observou, porém, que "o que as autoridades catalãs prometeram, um plebiscito efetivo com base legal, é algo que não vai acontecer".
Segundo ele, a infraestrutura de tecnologia para a votação e a contagem dos votos foi desmantelada, tornando o plebiscito "absolutamente impossível". Millo disse que agentes da Guarda Civil com mandado judicial fizeram uma busca na sede da CTTI, o centro regional catalão responsável por tecnologia e comunicações, e desabilitaram software desenvolvido para conectar mais de 2.300 locais de votação e compartilhar resultados.
O governo da Catalunha decidiu seguir adiante com o plebiscito, embora o Tribunal Constitucional da Espanha tenha suspendido a votação.
Neste sábado, milhares de pessoas se reuniram na praça Cibeles, no centro de Madri, para protestar contra a realização do plebiscito. Elas gritavam "Viva Espanha" e "Puigdemont na cadeia", referindo-se ao presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que é abertamente favorável à separação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia