Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de setembro de 2017. Atualizado às 11h52.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

México

Notícia da edição impressa de 22/09/2017. Alterada em 21/09 às 21h08min

Autoridades do México desmentem que havia menina sob escombros

Chuva dificultou trabalhos na Cidade do México; mortos chegam a 273

Chuva dificultou trabalhos na Cidade do México; mortos chegam a 273


/YURI CORTEZ/AFP/JC
O governo do México informou nesta quinta-feira que o número de mortos pelo terremoto de 7,1 graus na escala Richter registrado dois dias antes subiu para 273. Até o momento, foram registradas 137 mortes na Cidade do México, 73 em Morelos, 43 em Puebla, 13 no estado do México, que circunda a capital, seis em Guerrero e uma em Oaxaca. Mais de 2 mil pessoas se feriram. Autoridades enfatizaram que, apesar de a chuva ter prejudicado o trabalho dos socorristas durante a madrugada, as operações de busca e resgate continuam.
Na Cidade do México, após dois dias de uma busca desesperada por uma menina de 12 anos supostamente chamada Frida Sofía, presa sob os escombros na escola Enrique Rébsamen, a Marinha informou que não havia nenhuma criança no local. Um adulto, porém, poderia estar vivo sob os escombros, segundo as autoridades.
"Temos a segurança de que as crianças ou desgraçadamente faleceram ou estão nos hospitais ou a salvo em suas casas", afirmou o subsecretário Ángel Enrique Sarmiento. "Até o momento foram resgatados 11 menores de idade com vida e temos um total de 19 crianças que desgraçadamente perderam a vida, além de seis adultos", completou Sarmiento.
Nas primeiras horas desta quinta-feira, grupos de autoridades, voluntários e jornalistas ainda prosseguiam com os trabalhos de resgate na escola. No início da quarta-feira, a visão dos dedos de uma menina se movendo no local, em transmissão da rede Televisa, tornou-se um símbolo da esperança que levou milhares a trabalhar em dezenas de imóveis que ruíram na capital e em outras partes.
Até a manhã desta quinta-feira, segundo autoridades, já haviam chegado ao país especialistas em desastres naturais de Japão, El Salvador, Estados Unidos e Israel. O presidente Enrique Peña Nieto decretou três dias de luto oficial.
De acordo com números do governo, 38 edifícios acabaram derrubados pelo sismo e foram estabelecidas brigadas para revisar 2.400 imóveis. Mais de 50 pessoas foram resgatadas com vida, mais de 1.900 receberam atendimento médico e 2.600 seguem em albergues habilitados em distintos pontos da capital.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia