Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 10 de setembro de 2017. Atualizado às 22h51.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Clima

Notícia da edição impressa de 11/09/2017. Alterada em 10/09 às 20h46min

Furacão Irma atinge os EUA com categoria 3

Apesar de Miami não estar na rota direta, cidade registrou fortes ventos

Apesar de Miami não estar na rota direta, cidade registrou fortes ventos


/JOE RAEDLE/GETTY IMAGES/AFP/JC
O olho do furacão Irma atingiu as ilhas Keys, ao Sul da Flórida, nos Estados Unidos, por volta das 7h10min de ontem no horário local (8h10min em Brasília), com ventos de até 215 km/h. No começo da tarde, foi reclassificado da categoria 4 para a categoria 3, em uma escala que vai até 5, pelo NHC (Centro Nacional de Furacões dos EUA). Por voltas das 15h35min (horário local), atingiu a terra na região de Marco Island, com ventos de 210 km/h. Depois rumou a Naples, com ventos de 177 km/h, tornando-se uma tempestade de categoria 2. Mais de 2,1 milhões de clientes estão sem energia no estado.
O olho do furacão tem cerca de 40 km de diâmetro e gera fortes ventos e chuvas em um raio de 600 km, além de ondas que podem superar 4,5 metros. Ao menos três mortes já foram registradas nos EUA, todas relacionadas a acidentes de carro. 
Até sábado, a expectativa era de que o olho do furacão passasse pela Costa Leste do estado, onde fica Miami. No entanto houve uma mudança de rota, e o fenômeno deve atingir mais fortemente a Costa Oeste.
Apesar de Miami não estar na rota direta do furacão, a cidade enfrenta fortes ventos e chuva. As ruas estão totalmente vazias. Há inundação e árvores caídas. Dois guindastes, de cerca de 13 toneladas cada, desabaram na cidade. A Flórida também sofre com pequenos tornados. Um deles foi registrado em Fort Lauderdale, 50 km ao Norte de Miami.
Ao menos 6,3 milhões de moradores da Flórida receberam ordem para deixar suas casas - uma das maiores evacuações da história dos EUA. O Irma deve causar prejuízos de bilhões de dólares no estado, o terceiro mais populoso do país.
A expectativa é que Irma permaneça sobre o estado até esta segunda-feira. Em seguida, deve seguir para o estado da Georgia. Os aeroportos de Miami, Fort Lauderdale, Tampa e Orlando estão fechados.
O Ministério das Relações Exteriores monitora 57 cidadãos brasileiros no Caribe após a passagem do furacão Irma pela região deixar ao menos 27 mortos nas Ilhas Virgens Britânicas e na ilha de Saint Martin, uma das mais devastadas. Segundo o Itamaraty, eles foram deslocados para abrigos, como a maioria das populações locais - as administrações das ilhas não fazem distinção entre locais e turistas ao prestar socorro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia