Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 30 de setembro de 2017. Atualizado às 15h56.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

saúde

Alterada em 30/09 às 16h01min

Butantan inicia fabricação de 60 milhões de vacinas contra gripe para 2018

Produção das vacinas contra gripe que serão aplicadas em 2018 já está em andamento

Produção das vacinas contra gripe que serão aplicadas em 2018 já está em andamento


Marcello Casal Jr/Agência Brasil/JC
Agência Brasil
O Instituto Butantan iniciou nesta semana a fabricação das 60 milhões de doses de vacina contra a gripe que serão usadas na campanha do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde em 2018. Com investimento de R$ 5 milhões, o instituto irá fornecer 15 milhões de doses a mais do que no ano passado.
O início da produção neste ano está ocorrendo concomitante à divulgação das cepas do vírus que estão mais circulantes, feita anualmente pela Organização Mundial da Saúde (OMS). “Esse investimento possibilitou aumentar a produção, garantindo segurança e agilidade nos processos produtivos e, posteriormente, na entrega das doses ao Ministério da Saúde”, disse o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.
Em 2016, em 10 meses, o instituto conseguiu produzir 45 milhões de doses. Já em 2017, serão 60 milhões de doses em oito meses de produção. Segundo o Butantan, será necessário o trabalho de 500 funcionários, de setembro até maio de 2018, para a produção de todas as doses.
O processo utilizará 60 milhões de ovos de galinha fecundados, necessários para o cultivo dos vírus usados na vacina. No interior dos ovos embrionados, com 10 a 11 dias, é injetado o inóculo viral do vírus H1N1 e das outras duas cepas da gripe incluídas na vacina: H3N2 e B. Os ovos ficam em período de incubação, quando o vírus injetado se replica no líquido alantoico, que envolve o pintinho.
De acordo com o Butantan, após 60 a 72 horas de incubação, o líquido é retirado do ovo e purificado, para que apenas os vírus sejam extraídos. Em seguida, é feita a inativação e fragmentação do vírus.
Cada ovo rende, em média, o equivalente a três doses de um dos vírus. Como a vacina protege contra três tipos de variantes, são necessários 60 milhões de ovos para produzir as 60 milhões de doses da vacina influenza trivalente, fornecida para o Ministério da Saúde. Na última campanha de vacinação contra a gripe, 46 milhões de brasileiros foram imunizados em todo o país. O público-alvo da campanha era de 54,2 milhões de pessoas.
A transmissão dos vírus influenza ocorre por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas da boca, olhos, e nariz.
O Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples para evitar a doença, como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar tocar o rosto; não compartilhar objetos de uso pessoal e evitar locais com aglomeração de pessoas.
Os sintomas da gripe são febre, tosse ou dor na garganta, dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. O agravamento da doença pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, problemas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia