Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de setembro de 2017. Atualizado às 15h08.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

stf

Alterada em 13/09 às 15h12min

Moraes: prisão de Joesley foi correta; espero que seja convertida em preventiva

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que as prisões temporárias dos delatores Joesley Batista e Ricardo Saud, dono e diretor do Grupo J&F, foram corretas e sugeriu que sejam convertidas em preventivas, isto é, sem prazo de validade.
"Necessárias, absolutamente corretas e eu espero que a prisão temporária aqui no Supremo seja convertida pela preventiva", afirmou Moraes, instantes antes do início da sessão plenária do STF que discute, entre outros temas, os efeitos que a eventual rescisão do acordo de colaboração premiada de delatores tem sobre a validade das provas colhidas por meio deles.
Chamando Joesley e Saud de "criminosos arrogantes", Moraes minimizou as citações feitas a ministros do Supremo na conversa gravada entre os dois delatores que veio a público na semana passada. "Em nenhum dos áudios se falou nada funcional sobre o Supremo", disse.
"São pessoas arrogantes, são criminosos, que não estavam bêbados São criminosos arrogantes que falaram coisas absolutamente imorais e ofensivas em relação a alguns ministros, mas sem nenhuma ligação com o cargo. Ou seja, não há nada em relação ao Supremo nestes áudios", disse Moraes.
Moraes também afirmou que os dois já deveriam estar presos.
"Nada salvo a agressão gratuita de criminosos que já deveriam estar e agora estão na cadeia", afirmou Moraes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia