Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 30 de setembro de 2017. Atualizado às 15h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 30/09 às 15h34min

PBoC anuncia medida para impulsionar empréstimos para pequenas empresas

O banco central chinês anunciou neste sábado que vai ampliar a capacidade de financiamento de bancos que emprestam para pequenas empresas. A medida tem como objetivo dar suporte à economia mas sem elevar significativamente o já alto nível da dívida corporativa. Em comunicado neste sábado, o Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) disse que, a partir de 2018, vai reduzir entre 0,5 e 1 ponto porcentual o depósito compulsório para bancos que cumprirem os requisitos.
Para conseguirem a redução, bancos precisam preencher alguns critérios. Por exemplo, bancos cujos empréstimos para pequenas empresas representem pelo menos 10% dos empréstimos totais terão a redução maior, de 1 ponto porcentual nos depósitos compulsórios.
Nesta semana, O Conselho Estatal da China, o gabinete do país, pediu que o banco central ajudasse a reduzir os custos de financiamento para pequenas empresas privadas. Além disso, nas últimas semanas, bancos e corretoras do país pediram medidas do PBoC em meio a sinais de que a política monetária apertada está começando a afetar o crescimento.
Os depósitos compulsórios variam de acordo com o tamanho do banco. Para grandes bancos, estão em 17% de todos os depósitos, uma das alíquotas mais altas do mundo.
O PBoC disse que a medida anunciada neste sábado não altera o tom da política monetária da instituição, e que vai continuar adotando uma postura "prudente e neutra".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia