Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de setembro de 2017. Atualizado às 00h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

Notícia da edição impressa de 28/09/2017. Alterada em 27/09 às 21h07min

Confiança do comércio sobe 6,8 pontos em setembro

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) avançou 6,8 pontos na passagem de agosto para setembro, para 89,2 pontos, informou ontem a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, o indicador retorna a um patamar semelhante ao de abril, quando estava em 89,1 pontos, após quatro meses de quedas consecutivas.
Segundo a FGV, a redução da confiança registrada nos meses anteriores vinha refletindo o aumento da incerteza com o agravamento da crise política em maio, diante da delação do empresário Joesley Batista, sócio da JBS; e, mais recentemente, a preocupação com a sustentação das vendas após o fim do período de liberação de recursos inativos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).
"O bom resultado de setembro mostra que este momento já passou, e o setor retoma a tendência de alta da confiança que vinha apresentando nos primeiros meses do ano", avaliou Aloisio Campelo, superintendente de Estatísticas Públicas do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.
A alta do Icom em setembro ocorreu de forma disseminada entre os 13 segmentos pesquisados. O Índice de Situação Atual (ISA-COM) subiu 6,5 pontos, para 83,9 pontos. Já o Índice de Expectativas (IE-COM) avançou 7,0 pontos, para 95,1 pontos.
"O resultado de setembro sugere a retomada da tendência de alta virtuosa da confiança com melhora gradual da percepção sobre a situação presente e otimismo moderado em relação aos meses seguintes", completou Campelo.
A coleta de dados foi realizada entre os dias 1 e 25 do mês e obteve informações de 1.166 empresas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia