Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de setembro de 2017. Atualizado às 16h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Alterada em 13/09 às 16h55min

Governo vê grande apetite por usinas da Cemig e espera leilão concorrido

Hidrelétricas já estão operando, o que representa riscos praticamente nulos aos investidores

Hidrelétricas já estão operando, o que representa riscos praticamente nulos aos investidores


CEMIG/DIVULGAÇÃO/JC
O governo espera bastante competição no leilão das quatro usinas atualmente controladas pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), afirmou o secretário de Coordenação de Projetos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Tarcísio Gomes de Freitas, durante participação nesta quarta-feira, 13, no 15º Fórum Latino-Americano Brasileiro de Liderança Estratégica em Infraestrutura.
De acordo com ele, várias empresas estrangeiras já se mostraram interessadas nesses ativos e prometeram entrar fortemente na disputa - entre elas estão EDP, Engie, Enel e a chinesa State Power Investment Corporation (Spic). "Há players que já se reuniram com o governo para comunicar formalmente o interesse pelas usinas São Simão, Jaguara, Volta Grande e Miranda", conta.
O apetite dos investidores é justificado. Como as hidrelétricas já estão operando, os riscos associados a esses ativos é praticamente nulo. "Comprar uma usina hidrelétrica com as regras que estão postas é comprar uma caixa registradora, um fluxo de caixa", afirmou Freitas. "Além disso, as usinas proporcionam uma taxa de retorno real de 8%, algo raro no mercado de infraestrutura pelo mundo", avalia.
Tarcísio Gomes de Freitas reforçou que haverá leilão no dia 27 de setembro. Como noticiado ontem, o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou que o governo decidiu, em reunião interna, manter o leilão previsto para o final do mês. A avaliação é de que não há o que fazer depois da decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) de suspender as negociações abertas pela Advocacia-Geral da República com a Cemig para discutir a concessão das usinas.
Segundo o secretário do PPI, houve boa vontade do governo em ouvir, mas o que está sendo proposto não é viável. "Tudo começou com a MP 579, convertida na Lei 12.783. Por decisões empresariais - e não só da Cemig -, preferiram continuar negociando a energia no mercado livre. Obviamente a conta chegou, e chegou no momento em que o contrato de concessão venceu." O entendimento é de que, agora, a licitação é mandatória.
Com relação aos leilões de linhas de transmissão, a expectativa também é de que sejam bem-sucedidos, tendo em vista que o modelo já está consolidado. "Daqui a pouco, vamos vender linha de transmissão no mercado livre, na OLX", brinca. Com investimentos previstos de R$ 8,9 bilhões, o leilão contará com 11 lotes, com 4.919 quilômetros de linhas de transmissão e 10.416 megavolt-amperes (MVA) de expansão da capacidade de instalações de transmissão. O edital deverá ser publicado no dia 26 de outubro, e o leilão está previsto para dezembro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia