Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de setembro de 2017. Atualizado às 10h21.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 12/09 às 10h25min

Taxas futuras de juros mais curtas recuam com ata do Copom

As taxas futuras de juros recuam na ponta mais curta da curva depois de ata do Comitê de Política Monetária (Copom) confirmar mais cedo que o ritmo de queda da Selic pode ser reduzido. Por outro lado, no vértice mais longo, o viés é de alta, diante da conclusão do inquérito da Polícia Federal que apontou a formação de uma organização criminosa do PMDB da Câmara encabeçada por Michel Temer.
O relatório da investigação era aguardado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para finalizar a segunda denúncia contra o presidente. As conclusões sobre o chamado "quadrilhão" do PMDB deixam os investidores cautelosos, em um momento em que avaliava-se que as prisões do empresário Joesley Batista e do executivo Ricardo Saud, do Grupo J&F, poderiam enfraquecer uma nova acusação contra Temer.
Às 9h40min, o DI para janeiro de 2019 estava em 7,66%, de 7,68% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2020 exibia 8,40%, de 8,39% no ajuste de segunda-feira. O DI para janeiro de 2021 marcava 9,01%, de 8,99% na véspera.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia