Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 17h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 08/09 às 17h54min

Dólar cai ao menor nível em quase 6 meses, atrelado ao exterior

O dólar continuou sua tendência de baixa nesta tarde de sexta-feira e fechou a R$ 3,0931, o menor nível desde 21 de março (R$ 3,0862), em dia de baixo volume de negócios, o que contribuiu para uma queda mais pronunciada. O movimento de hoje foi totalmente influenciado pela depreciação generalizada da moeda no exterior diante de cautela com Coreia do Norte e menor chance de aumento de juros nos EUA neste ano. Os últimos acontecimentos na política brasileira, porém, seguem no radar dos investidores, mas em segundo plano.
Na véspera da comemoração do aniversário de fundação da Coreia Norte, amanhã, os investidores correram para os ativos mais seguros - iene e ouro. No ano passado, Pyongyang aproveitou a data para realizar um teste nuclear. "O mercado lá fora ficou mais cauteloso, uma vez que Trump (Donald Trump, presidente dos EUA) tem dito que está chegando em um ponto que será necessário usar armamento", pontuou o gerente de câmbio da Fair Corretora, Mário Battistel.
Mais cedo, o Dollar Index (DXY) - que mensura a moeda americana ante outras seis moedas fortes - atingiu o menor nível em mais de dois anos, em uma performance que começou ontem, após discurso do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi. Contribuiu também para o movimento do índice DXY o enfraquecimento das apostas para a elevação de juros nos EUA este ano diante de dados fracos recentes de inflação e preocupações de que os furacões Harvey e Irma possam prejudicar alguns indicadores econômicos no curto prazo.
Com o foco no exterior, os recentes acontecimentos internos ficaram em segundo plano. A prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), após a Polícia Federal encontrar em um imóvel na capital baiana R$ 51 milhões em espécie e com sua digital, ficou em segundo plano no mercado. No final da tarde, o dólar reduziu as perdas, uma vez que a próxima semana tende a ser recheada de delações e possibilidade de nova denúncia contra o presidente Michel Temer.
No mercado à vista, o dólar fechou em queda de 0,31%, aos R$ 3,0931. O giro financeiro somou US$ 1,57 bilhão. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,0825 (-0,65%) e, na máxima, aos R$ 3,0997 (-0,09%).
Às 17h20, no mercado futuro, o dólar para outubro caía 0,31%, aos R$ 3,0990. O volume financeiro movimentado somava cerca de US$ 1,06 bilhão. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,0905 (-0,41%) a R$ 3,1080 (-0,01%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia