Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 19h44.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

08/09/2017 - 14h51min. Alterada em 08/09 às 14h51min

Bradesco eleva de zero para 0,7% previsão para PIB em 2017 e prevê 2,5% em 2018

O Bradesco divulgou nesta sexta-feira (8) revisão de projeções para o Brasil, em que vê um cenário de menor inflação, juro mais baixo e maior crescimento da economia este ano e no próximo. A estimativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 passou de crescimento zero para 0,7%. Em 2018, o banco vê avanço de 2,5%, ante 2% previsto anteriormente.
"A recuperação da economia se consolida, sem aceleração da inflação", destaca o relatório do banco. "As notícias positivas com o desempenho da atividade econômica continuam." O banco ressalta que, além da surpresa com o PIB do segundo trimestre, um conjunto amplo de indicadores do início do terceiro trimestre confirmam que a retomada tem persistido.
Em meio às mudanças de previsões, o Bradesco cortou a estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano, de 3,4% para 3% e em 2018 estima que o indicador deve ficar em 3,9%. "Apesar dos sinais de retomada do consumo, as surpresas baixistas com a inflação persistem", destaca o documento.
Com o quadro benigno para a inflação e o crescimento moderado do PIB, o Bradesco espera que o BC vai seguir cortando juros. Com isso, a estimativa para a taxa básica, a Selic, no final de 2017 foi cortada de 7,5% para 7% ao ano. Para o banco, este patamar deve seguir em 2018. "Os limitados riscos para a inflação de 2018 devem fazer o Banco Central seguir cortando um pouco mais os juros."
Um dos fatores que devem contribuir para a baixa pressão inflacionária é o comportamento da taxa de câmbio, destaca o relatório. O Bradesco projeta que o dólar feche o ano em R$ 3,10 e termine 2018 em R$ 3,20. "Entendemos que os prêmios de risco do país devam se manter relativamente estáveis e que o cenário externo continuará ao menos razoável para preços de ativos dos países emergentes."
Ao falar do PIB, a retomada da economia tem sido puxada pelo consumo privado, destaca o Bradesco, ressaltando que este "é o primeiro passo para que os investimentos também voltem a crescer". O banco observa que o mercado de crédito dá sinais de recuperação. O relatório também menciona a retomada do mercado de desemprego. O Bradesco espera que a taxa média de desemprego fique em 13,1% este ano e 13% em 2018.
Na área fiscal, o Bradesco prevê déficit primário de R$ 159 bilhões em 2017, mesmo valor da meta do governo. "Para atingir esse resultado, alguns fatores terão de ser observados até o final do ano, como aumento da arrecadação de impostos com PIS/Cofins de combustíveis e Refis", menciona o relatório.
Para 2018, o banco espera melhora do resultado primário por conta do maior crescimento da economia e do programa de privatizações do governo, que deve gerar recursos extras para os cofres públicos. A estimativa do banco é que o déficit fique ao redor de R$ 155 bilhões, pouco abaixo da meta do governo, também de R$ 159 bilhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia