Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 18h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Automotiva

05/09/2017 - 13h45min. Alterada em 05/09 às 13h45min

Montadoras e governo tentam definir plano para indústria de carros

Novo programa deve substituir o Inovar-Auto, condenado pela OMC

Novo programa deve substituir o Inovar-Auto, condenado pela OMC


CLAITON DORNELLES /ARQUIVO/JC
Eduardo Sodré, da Folhapress
Em meio à retomada de produção e vendas no setor automotivo, montadoras e governo definem os detalhes do Rota 2030, plano que define o futuro da fabricação de veículos no Brasil e sucederá o programa Inovar-Auto, condenado pela OMC por desrespeitar regras internacionais de comércio. Segundo reportagem publicada no "Valor Econômico", governos e montadoras devem fechar um acordo híbrido entre o que há hoje e o que é considerado ideal do ponto de vista técnico.
De acordo com montadoras ouvidas pela reportagem, o Rota 2030 deverá seguir o padrão do Inovar-Auto quanto ao anúncio de metas: primeiro haverá um patamar mais baixo a ser atingido, depois uma segunda fase com exigências maiores.
A primeira etapa deverá ser dividida por cilindrada, como ocorre hoje, mas com penalidades para os menos eficientes. Por exemplo: um carro com motor 1.0 que apresente dados de consumo e emissões de poluentes ou CO2 maiores que as médias exigidas pelo Rota 2030 não terá os mesmos benefícios tributários que um outro veículo também 1.0 que atenda ou supere os requisitos considerados ótimos.
Dessa forma, o impacto na arrecadação poderia ser atenuado, pois motores acima de 1.0 de alta eficiência continuaram pagando taxas mais altas de IPI, como ocorre hoje, tendo direito a reduções ou majorações de tarifas de acordo com o nível de consumo e emissões.
Ainda de acordo com montadoras ouvidas pela reportagem, fases mais avançadas do Rota 2030 deverão ser baseadas puramente pela eficiência energética, calculada em megajoule, independentemente do tamanho do motor.
Durante o anúncio de investimentos na fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo (Grande São Paulo), em agosto, o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, afirmou que as bases do Rota 2030 seriam divulgadas "em dois ou três meses". As primeiras informações são aguardadas para outubro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia