Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de setembro de 2017. Atualizado às 13h52.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 12/09/2017. Alterada em 12/09 às 13h55min

PMDB pensando em 2018

Michel Temer e o governador José Ivo Sartori no Planalto

Michel Temer e o governador José Ivo Sartori no Planalto


/MARCOS CORRÊA/PR/JC
O PMDB terá candidato próprio ao Palácio do Planalto em 2018, mas ainda analisa um nome. Na opinião do ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), "isso dependerá muito do andamento das filiações que o partido tiver e do cenário do quadro político eleitoral, que ainda está distante". O ministro pensa que, no início do próximo ano, "pode-se começar a falar nisso". A escolha de nomes para a presidência da República dependerá de uma série de fatores, principalmente dos nomes que sobrevivem, sem mácula, às denúncias, que a cada dia são apresentadas pelo Ministério Público. Os últimos alvos do partido do governo, atingidos em cheio pelo procurador Rodrigo Janot, são caciques peemedebistas denunciados ao STF por participação em "organização criminosa".
Deputado antecipa nomes
O deputado Mauro Pereira (PMDB) também defende uma candidatura própria à presidência da República. Ele argumenta que "o partido tem o maior número de prefeituras, tem representatividade em todo o País, é um partido totalmente eclético, um partido que tem todos os segmentos da sociedade". O próprio parlamentar faz uma ressalva: agora, é um partido que também está passando por uma depuração. "Nós temos, sim, todas as pessoas, as lideranças maiores do nosso partido que hoje estão com dificuldades em termos de Lava Jato", avaliou. E argumenta que "o perfil do próximo presidente da República vai ter que ser de uma pessoa séria, transparente, e que realmente se identifique com o País, que está dando certo, com um Brasil que é sério", assinalou.
Transparência e ética
Para Pereira, "pela primeira vez, seriedade, transparência e ética vão ser a principal bandeira do futuro presidente da República". "E aí, dentro desta linha, o PMDB vai precisar começar a escolher essa pessoa para ser candidato ao Planalto, ou para vice-presidente. Hoje, nós temos poucos nomes que têm essas características".
Nomes que se credenciam
Para o parlamentar, "o nome do PMDB que é um homem sério, reto, e que tem história no partido, que já está no PMDB e que merece todo o respeito do mundo hoje, é o governador José Ivo Sartori". E acrescentou: "posso afirmar que o governador do Rio Grande do Sul é um nome que ajudaria muito o PMDB nacional, um nome com experiência no partido, vivência no partido e seriedade".
Cenário nacional
No cenário nacional hoje, "só se buscar fora", avalia o parlamentar peemedebista. "De dentro nós não temos. Nós temos o próprio presidente, e se estas denúncias contra ele, o que aconteceu aí com o Joesley Batista, forem comprovadas que foi uma armação, (Michel) Temer (PMDB) pode ser um nome forte. Ele está fazendo reformas, é administrador, e pode ajudar o partido a se recompor". Para o deputado, "é necessário esperar o desenrolar da Operação Lava Jato".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia