Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 19h29.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Vinicius Ferlauto

Giro Rápido

Notícia da edição impressa de 08/09/2017. Alterada em 07/09 às 20h07min

Agosto sem desgosto

Contrariando o dito popular, agosto não foi de desgosto para a indústria automotiva no Brasil. Pelo contrário. No dia 1 de setembro, a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores divulgou o desempenho do setor no mês passado e no acumulado de 2017. De acordo com o levantamento realizado pela entidade, o total de emplacamentos em agosto foi 14,76% maior do que o registrado em julho deste ano (305.221 contra 265.967 unidades). Em relação a agosto do ano passado (275.994 unidades), houve alta de 10,59%. Porém, no acumulado de janeiro a agosto 2016/2017, verificou-se retração de 2,99% para todos os segmentos somados - 2.076.562 unidades vendidas, contra 2.140.532 no mesmo período do ano passado. No caso de algumas marcas, agosto foi ainda mais positivo. Para a Jeep, por exemplo, se constituiu no melhor mês comercial de sua história no mercado nacional, com 8.800 veículos faturados - destaque para os 4.576 emplacamentos do Renegade. De janeiro a agosto, a Jeep somou 56.530 unidades vendidas, 58,7% a mais do que no mesmo período de 2016. A General Motors do Brasil, por sua vez, registrou em agosto o volume recorde de emplacamentos do Onix: 18.500 unidades. Aliás, foi também no mês de agosto, mas do ano de 2015, que o modelo da marca Chevrolet assumiu a liderança de vendas entre automóveis e comerciais leve no País. No mercado de veículos usados, agosto também trouxe evolução frente ao mês anterior, de 8,79% - foram negociadas 1.360.191 unidades, contra 1.250.217 em julho. Na relação com agosto de 2016, nova alta, de 7,86%, nas transações. Também aconteceu crescimento no acumulado do ano: entre janeiro e agosto de 2017, a alta foi de 7,93% na venda de usados sobre igual período de 2016.
Capacidade total
Com a aceleração da produção do Novo Polo, a fábrica Anchieta da Volkswagen, localizada em São Bernardo do Campo (SP), voltará a operar em três turnos até o final de 2017. O retorno à capacidade total será gradual, acompanhando a curva de aceleração da fabricação do modelo. No mês passado, a planta de Anchieta deixou de produzir o Gol para dar exclusividade ao Novo Polo.
Relevância global
A equipe de especialistas do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento do BMW Group em Santa Catarina, que já realiza estudos nas áreas de infoentretenimento e telemática, intensifica, agora, análises voltadas aos sistemas de assistência de direção. Assim, a unidade catarinense aumenta sua relevância em nível global para a companhia.
Fator Expointer
A Expointer, mais uma vez, trouxe bons resultados para o setor de veículos, que apostou em descontos, promoções e benefícios durante os nove dias do evento. Segundo o Sincodiv/Fenabrave-RS, o mês de realização da Expointer costuma ser o segundo melhor em vendas do ano e, em 2017, o fato deverá se repetir. A entidade efetuou um levantamento dos contratos fechados durante a feira agropecuária e chegou ao total de 850 veículos comercializados entre motocicletas, automóveis e comerciais leves. A FCA, representada na Expointer pelas marcas Fiat, Jeep e Ram, por exemplo, contabilizou 256 veículos vendidos (48% a mais do que em 2016), em um esforço conjunto das concessionárias Iesa, Felice, Savarauto, Tramonto, San Marino e Via Porto. A Chevrolet também conseguiu aumentar seus fechamentos na feira, 28% a mais na comparação com o ano passado: 201 modelos da marca foram comercializados, com amplo destaque para a picape S10, que ficou com 42% desse total. "Acreditamos que os negócios na Expointer potencializam em 30% as vendas no Estado todo", diz Fernando Esbroglio, presidente do Sincodiv/Fenabrave-RS.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia