Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 10 de setembro de 2017. Atualizado às 18h59.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Osni Machado

Empresários & Cia

Notícia da edição impressa de 11/09/2017. Alterada em 08/09 às 18h47min

Sicredi em prol do agronegócio nacional

Fernando DallAgnese

Fernando DallAgnese


MARCO QUINTANA/JC
"A pequena propriedade rural está ficando inviável a tal ponto de quase não gerar mais sucessores." O comentário é do presidente da Central Sicredi Sul/Sudeste, Fernando Dall'Agnese, destacando que a matriz produtiva da pequena propriedade tem que mudar para produzir alimentos que tenham mercado interno e também externo, como sustentação para agregar renda. Cita como exemplo, a suinocultura, avicultura, fruticultura, produção leiteira, entre outros.
Dall'Agnese diz que é necessário agregar elementos para viabilizar economicamente o potencial da propriedade rural e dá como fato concreto a força do Rio Grande do Sul, que produz todos os insumos, que integram a ração de pássaros. "Nós produzimos o girassol, a canola, o painço preto, vermelho, trigo, aveia e azevém, entre outros. Porém encaminhamos os mesmos para outros estados, como São Paulo, que por sua vez, fazem o processamento e agregam valor a eles. Devemos olhar este cenário como empreendedores aqui no Estado", destaca.
O presidente da Central Sicredi Sul/Sudeste diz que as cooperativas agro devem ser mais fortes. "A casa de crédito tem o recurso para fazer isto e nós (os produtores) devemos começar a mudar esta matriz produtiva, criando novas oportunidades de negócios", acrescenta.
Dall'Agnese vê a importância de entidades como a Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul), o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), a Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag), a Emater, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e demais, como impulsionadoras do agronegócio, aliado ao recurso via Sicredi, instituição financeira cooperativa, além de outros e via bancária, como Banco do Brasil. Ele também destaca que as cooperativas devem trabalhar juntas para o desenvolvimento do agronegócio e, deste modo, venham a se fortalecer igualmente.
Natural de Santa Rosa, Dall'Agnese, apresenta uma trajetória, que o qualifica como profundo conhecedor do setor primário e destaca, muito bem, a força que resultado do cooperativismo. A Central Sicredi Sul é um das cinco centrais que compõe o Sistema Sicredi e que abrange os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais e Espírito Santo. O Sicredi conta com mais de 3,5 milhões de associados e atuação em 20 estados brasileiros e já atingiu a marca de R$ 10 bilhões na carteira de créditos ativos de consórcios.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia