Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 18h19.

Jornal do Comércio

Viver

COMENTAR | CORRIGIR

Cinema

Notícia da edição impressa de 08/09/2017. Alterada em 06/09 às 19h38min

mais

  • De Benoît Jacquot, o drama Até nunca mais é baseado no romance de Don Delillo. Jacques Rey e Laura moram em uma grande casa isolada pelo mar. Ele é um cineasta, enquanto ela atua em performances que cria. Certo dia, Rey morre, e, sem saber a causa da morte, Laura fica sozinha na casa e, aos poucos vai se perdendo, deixa de ser ela mesma. 
  • Nesta sexta-feira, às 20h, a Cinemateca Capitólio Petrobras (Demétrio Ribeiro, 1.085) apresenta uma edição especial do Projeto Raros com exibição de Um é pouco, dois é bom (1970), de Odilon Lopez, um dos primeiros longas realizados por um diretor negro no Brasil. A sessão tem entrada franca.
  • Título que comemora o centenário de Paulo Emilio Salles Gomes, Festejo muito pessoal antecede a exibição de Como nossos pais nos complexos Itaú de Cinema em São Paulo, Rio, Brasília, Porto Alegre, Curitiba e Salvador. O ensaísta, escritor, crítico de cinema, roteirista e professor faleceu há 40 anos, em 9 de setembro de 1977. O curta de Carlos Adriano tem como ponto de partida um artigo de mesmo nome do autor, publicado postumamente. A montagem com trechos de filmes obedece a uma estrutura não narrativa e musical.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia