Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de outubro de 2017. Atualizado às 21h10.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Notícia da edição impressa de 03/10/2017. Alterada em 02/10 às 18h22min

Tribunal acata pedido de advogados e adota sistema e-Proc

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) anunciou que adotará, em definitivo, o sistema e-Proc. A medida atende a pedido da advocacia gaúcha, que, ao longo dos últimos anos, se empenhou em sensibilizar o tribunal sobre as dificuldades do sistema e-Themis e sobre a importância da migração para o bem-sucedido processo eletrônico já utilizado no TRF-4.
O presidente da OAB-RS, Ricardo Breier, comemora a notícia e reforça que o esforço feito na audiência pública que mobilizou cerca de 10 mil advogados foi o "divisor de águas" nesse caso. "Esta é uma conquista que serve para a advocacia e para a cidadania. O e-Proc foi construído a quatro mãos aqui no Estado, entre a OAB-RS e o TRF-4, e esperamos que outros tribunais do País também adotem essa ferramenta", apontou Breier. O dirigente também referendou o trabalho da Comissão de Direito e Tecnologia da Informação da OAB-RS.
O presidente dessa comissão, Filipe Mallmann, ressalta que houve empenho para levar, na íntegra, os problemas e reclamações que chegavam dos advogados para o Comitê Gestor do Processo Eletrônico do TJ-RS, sugerindo correções e melhorias. "Esta conquista beneficia a advocacia e o jurisdicionado, que passam a contar com um excelente sistema de processo eletrônico, robusto e confiável", destacou.
O sistema ainda deve ser aperfeiçoado. O tribunal prevê que em 15 meses o projeto será concluído e deve passar pelos testes finais.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia