Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 01 de outubro de 2017. Atualizado às 21h01.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 02/10/2017. Alterada em 29/09 às 18h15min

Condomínio, empresa que pode gerar renda a moradores

ANDREA GRAIZ/DIVULGAÇÃO/JC
Sharon Rossi
Diversos empreendimentos que conhecemos hoje, em cidades como Porto Alegre, são verdadeiros bairros. Alguns podemos considerar até como minicidades. São condomínios com dezenas, centenas e milhares de moradores, com orçamentos dignos de pequenos municípios. E assim como na administração pública, gerir um grupo de pessoas com diferentes crenças, estilos, classes sociais, histórias, não é nada fácil.
Em tempos em que as demandas são necessárias, mas tudo é negociado, os fornecedores espremem suas margens e os clientes esticam os prazos de pagamento, é preciso cada vez mais contar com a figura de um negociador capaz de gerir profissionalmente um condomínio e com uma equipe operacional afinada, o que significa enxugar os gastos desnecessários e, dentro do possível, fazer o empreendimento gerar renda.
E a geração de renda pode vir de atitudes simples e básicas, como políticas de sustentabilidade, reciclagem, reuso de água, passando por outras ações mais focadas, como o remodelamento de espaços ou o aluguel de áreas ociosas do empreendimento para ações externas. Condomínios são núcleos com vida própria, mudam de acordo com os inquilinos e suas necessidades, é importante o gestor ter sempre isso em mente.
O fato é que cada vez mais construtoras, incorporadoras e investidores estão vendo este formato de negócio como um importante investimento para valorizar seus ativos e com isso atrair clientes para seus produtos.
O negócio como conhecemos até hoje conta com poucos profissionais lidando com muitos empreendimentos. Com uma administração financeira nem sempre de fácil entendimento para o cliente e tem o foco apenas na manutenção do imóvel - quando o objetivo deve ser, sempre, a sua valorização.
As operações agora exigem um planejamento anual e não apenas uma previsão orçamentária, com foco específico na valorização e na revitalização dos condomínios.
Administradora, sócia da ävec gestão patrimonial
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia