Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de agosto de 2017. Atualizado às 15h27.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

REFORMA POLÍTICA

11/08/2017 - 12h14min. Alterada em 11/08 às 15h29min

Reforma política não parece ser a melhor, critica Maia

Presidente da Câmara criticou o alto valor do fundo público de financiamento de campanha

Presidente da Câmara criticou o alto valor do fundo público de financiamento de campanha


EVARISTO SA/AFP/JC
O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez críticas nesta sexta-feira (11) à reforma política em discussão na Casa, em especial à instituição de um valor alto para o fundo público de financiamento de campanha (R$ 3,6 bilhões), sem que houvesse debate prévio com a sociedade, e a seu caráter permanente, e não transitório. "Gera uma sinalização equivocada na sociedade, mostra que a política não quer dar soluções concretas para o futuro, mas para hoje".
"A reforma não parece a melhor, pelo que a gente vê na imprensa. Houve aprovação e temas polêmicos como permanentes, que deveriam ser transitórios, como o fundo eleitoral. Infelizmente se decidiu manter valor alto, que a sociedade não aceita. Como um valor permanente, acho muito grave", afirmou Maia, que atacou também o fim "abrupto" do financiamento privado de campanha, ainda que facilitasse atos de corrupção.
Ele também criticou o distritão e afirmou que o sistema eleitoral brasileiro está "falido", com pouca renovação na política. "Sem um cláusula de desempenho e sem financiamento privado é muito ruim. Se nós conseguirmos aprovar o sistema distrital misto em 2022, poderemos recuperar a legitimidade e a relação da sociedade com a política. Se conseguirmos, será uma grande vitória na base da democracia, que é um sistema eleitoral que possa atrair novos quadros."
Partidos da base aliada do governo Michel Temer (PMDB) e também da oposição lançaram uma "frente ampla" na Câmara para tentar barrar o distritão no plenário. Por este modelo, eleitores votarão apenas em candidatos a deputados e vereadores, sem a possibilidade de votar em partidos, e deixa de haver o quociente eleitoral; assim, são lançados menos candidatos por partido, e só os mais votados se elegem.
Uma crítica ao sistema é de que candidatos mais conhecidos do eleitorado e com mais recursos acabarão sendo privilegiados, em detrimento de novatos. As novas regras só valerão para o pleito de 2018 caso sejam aprovadas por deputados e senadores até o dia 7 de outubro.
Dizendo-se otimista, o presidente da Câmara acredita que as eleições apresentarão um embate entre "quem quer Brasil eficiente e moderno" e quem é contra as reformas trabalhistas e da Previdência.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia