Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de agosto de 2017. Atualizado às 00h02.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 11/08/2017. Alterada em 10/08 às 20h47min

Fachin dá cinco dias para Janot se manifestar sobre suspeição

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin concedeu, nesta quinta-feira, prazo de cinco dias para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se manifestar sobre pedido de suspeição feito pela defesa do presidente Michel Temer. As informações são da Agência Brasil.
Na terça-feira passada, os advogados do presidente pediram a suspeição do procurador-geral da República para atuar em investigação relacionada ao presidente em tramitação na corte. A defesa de Temer alega que o procurador age de forma pessoal em ações contra o presidente.
O advogado Antonio Mariz, representante de Temer, acusa Rodrigo Janot de parcialidade nas investigações. "Se ao contrário, assumir de pronto que o suspeito é culpado, sem uma convicção da sua responsabilidade irá atuar no curso das investigações e do processo com o objetivo de obter elementos que confirmem o seu posicionamento prematuro", argumenta Mariz.
Na ação, a defesa de Temer também cita uma palestra na qual Janot disse que, "enquanto houver bambu, lá vai flecha", uma referência, segundo o advogado de Temer, ao processo de investigação contra o presidente.
"Parece pouco interessar ao procurador se o alvo a ser atingido, além da pessoa física de Michel Temer, é a instituição presidência da República; as instituições republicanas; a sociedade brasileira; ou a Nação", diz o documento.
O procurador-geral da República não se pronunciou sobre o pedido de suspeição.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia