Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de agosto de 2017. Atualizado às 23h57.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 11/08/2017. Alterada em 10/08 às 20h46min

Presidente do STF nega pedido feito por Aécio Neves

A ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, negou um pedido feito pela defesa do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que solicitava a redistribuição de um dos inquéritos a que o tucano responde na corte para o ministro Gilmar Mendes.
O advogado do senador, Alberto Toron, alegara que havia conexão entre essa investigação, que trata sobre supostas irregularidades em obras das usinas hidrelétricas do rio Madeira, em Rondônia, e outro inquérito que já é relatado por Gilmar Mendes - este, sobre Furnas.
Cármen, no entanto, considerou que os fatos são "desconexos". Mas, apesar de rejeitar o pedido, a ministra concordou em redistribuir a investigação, por não ver relação com a Petrobras, foco inicial da Operação Lava Jato.
A mesma decisão foi tomada em outros cinco inquéritos que também investigam as hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau. A redistribuição será feita por dependência, ou seja, um mesmo sorteio definirá o novo relator das seis investigações, todas baseadas na delação premiada de executivos da Odebrecht.
Em sua decisão, Cármen Lúcia concordou com o posicionamento do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, que havia defendido a redistribuição por dependência dos seis inquéritos. Nos outros cinco inquéritos, são investigados os senadores Romero Jucá (PMDB-RR), Edison Lobão (PMDB-MA), Valdir Raupp (PMDB-RO) e Ivo Cassol (PP-RO), e o deputado federal Arlindo Chinaglia (PT-SP).
Os senadores Romero Jucá e Arlindo Chinaglia foram acusados de receber, cada um, R$ 10 milhões para auxiliar a empreiteira Odebrecht na licitação da hidrelétrica de Santo Antônio. Ivo Cassol, por sua vez teria recebido R$ 2 milhões por favorecimentos na mesma obra.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia