Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de agosto de 2017. Atualizado às 00h23.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

reforma política

Notícia da edição impressa de 10/08/2017. Alterada em 09/08 às 21h33min

Sistema eleitoral está esgotado, avalia Jobim

Nelson Jobim participou da abertura da Semana Jurídica em São Paulo.

Nelson Jobim participou da abertura da Semana Jurídica em São Paulo.


JANE DE ARA/AGÊNCIA SENADO/JC
O sistema eleitoral brasileiro já foi "suficiente", mas hoje está "esgotado". Foi essa a avaliação de Nelson Jobim (PMDB), ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), em palestra, justamente, sobre eleições e reforma política aos presidentes dos Poderes paulistas.
Jobim participou ontem da abertura da Semana Jurídica do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Traçou um histórico da crise política, sem defender propostas para uma reforma do sistema eleitoral.
No entanto falou brevemente sobre as restrições de um financiamento público eleitoral: "O sistema empurrará boa parte (das campanhas) para a ilegalidade".
Jobim citou como exemplo uma candidatura que, chegando à reta final, se visse com o caixa vazio. Segundo o ex-ministro, é provável que um partido não interrompa seu planejamento nessas circunstâncias, mas busque mais recursos e, depois, verá como prestar contas.
Em sua avaliação, há um conflito intrínseco à Câmara dos Deputados, que influencia as negociações e o processo eleitoral: espera-se que parlamentares legislem pensando na nação, quando, na verdade, dependem de verbas e de ações em suas regiões para se eleger. E a Câmara, argumentou, passa por uma "disfuncionalidade", que começou na eleição de Severino Cavalcanti (PP) à presidência da Casa, em 2005.
Com ele, ascendeu à Mesa o baixo clero do Parlamento, e a figura do presidente se sobrepôs à dos líderes de partido, que antes tratavam da interlocução de deputados com o governo. Na época, ele contou que, para evitar que o PT vencesse a eleição e presidisse a Câmara, o PSDB, em terceiro lugar, apoiou Cavalcanti.
Jobim foi ministro da Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e da Justiça de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Comentou que, tradicionalmente, a política brasileira operava pela lógica da conciliação. "Nós combinávamos a raiva", afirmou, provocando risadas na plateia. "Tínhamos um entendimento para a construção de soluções." Hoje, disse, "introduziu-se o ódio, uma variável que não tinha".
Na presença dos presidentes do Ministério Público, do Tribunal de Justiça, da Assembleia Legislativa e do secretário de Segurança Pública (que representou o governador Geraldo Alckmin, do PSDB), Jobim afirmou que as prisões de políticos, na esteira das investigações sobre corrupção, não oferecem solução para a crise.
"A prisão repreende o passado, mas não constrói o futuro", afirmou. A reportagem tentou abordar o ex-ministro, que não quis dar entrevista.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia