Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de agosto de 2017. Atualizado às 00h18.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 10/08/2017. Alterada em 09/08 às 20h24min

O povo não aguenta mais aumento de impostos

João Derly
A falta de criatividade dos governantes é chocante: a receita para aplacar a crise é sempre a mesma e quem paga a conta sempre é o povo. O aumento de impostos sobre os combustíveis decretado pelo presidente Michel Temer (PMDB) há um mês já era um castigo para os maltratados brasileiros. Mas o governo, incompetente ao gerir as contas públicas e extremamente "generoso" com seus aliados políticos, acena com a possibilidade de um novo aumento de tributos, desta vez no Imposto de Renda.
Trata-se de nova afronta, além de ser um atestado de incompetência. A equipe econômica, liderada pelo ministro Henrique Meirelles, tem que fazer o seu trabalho e cortar despesas onde elas podem ser cortadas para diminuir o déficit público. Ou seja, antes de aumentar impostos, o governo tem que cortar privilégios, barrar a corrupção e combater a sonegação fiscal, principalmente das grandes empresas.
Além de o aumento de impostos ser uma escolha errada que irá sufocar ainda mais uma economia em recessão, a medida é um escárnio do ponto de vista moral. Isso porque nosso país cobra uma farta carga tributária de seu povo que não vê esse dinheiro retornar em serviços de qualidade. Basta ver a situação de nossas estradas, da nossa saúde e da educação.
A conta no preço dos combustíveis já está sendo paga por todos nós. E não é baixa. O aumento do preço dos combustíveis está impactando toda a cadeira produtiva, elevando os preços dos alimentos e tudo mais que uma família precisa para viver. Agora, temos que ficar atentos para evitar essa nova rasteira do governo na população, que é o aumento do Imposto de Renda.
A divulgação dessa ideia pode até ter sido um balão de ensaio, mas é por aí que virá o ajuste das contas do governo. Chegou a hora de o cidadão, sempre a parte mais frágil do sistema, parar de ficar com o ônus pela incompetência dos seus governos.
Deputado federal (Rede)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia