Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de agosto de 2017. Atualizado às 08h27.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

12/08/2017 - 15h39min. Alterada em 12/08 às 15h39min

Protesto de defensores da supremacia branca gera conflitos em Charlottesville; Trump condena violência

Grupos de extrema-direita organizaram protesto, gerando conflitos nas ruas de Charlottesville

Grupos de extrema-direita organizaram protesto, gerando conflitos nas ruas de Charlottesville


CHIP SOMODEVILLA/GETTY IMAGES/AFP/JC
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, condenou a violência ocorrida na manhã deste sábado (12) em Charlottesville, no Estado de Virginia. Antes do início de um protesto marcado por grupos defensores da supremacia branca, houve conflito entre os manifestantes e opositores – com troca de ofensas, objetos atirados e brigas com socos e chutes.
Em sua conta no Twitter, Trump escreveu que "nós todos devemos estar unidos e condenar todos os que representam o ódio. Não há lugar para esse tipo de violência na América. Vamos juntos como um!".
Um dos organizadores, o blogueiro de extrema-direita Jason Kessler, disse que o evento se trata de uma manifestação "pró-brancos" para protestar contra a decisão de Charlottesville de remover uma estátua do General Confederado Robert E. Lee de um parque da cidade. Milhares de pessoas eram esperadas.
A prefeitura da cidade declarou estado de emergência e, através de sua conta no Twitter, descreveu o ato como uma "iminente guerra civil". De acordo com a polícia, alguns manifestantes foram detidos e ao menos duas pessoas ficaram feridas.
A primeira-dama dos EUA, Melania Trump, também condenou o confronto através de sua conta no Twitter. "Nosso país incentiva a liberdade de expressão, mas vamos nos comunicar sem ódio em nossos corações. Nada de bom vem da violência", escreveu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
MARCELO FLORCZAK 13/08/2017 22h50min
Sim... Quero saber .... Que tipo de supremacia vcs querem ??? Por que me sinto diminuído por ser branco e heterossexual.... Depois disso vou procurar maneiras de fazer valer pelo menos o meu direito de existir..... Quero ter o direito de ser eu..... Não tenho culpa de ser um descendente de 400.000 anos de cultura sapiens..... Vcs estão criando revolta...... Salud....