Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de agosto de 2017. Atualizado às 16h38.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

Alterada em 09/08 às 16h39min

FBI realizou busca na casa de ex-chefe da campanha presidencial de Trump

Agentes federais dos Estados Unidos que trabalham com o conselheiro especial Robert Mueller fizeram no mês passado uma busca na residência na Virgínia de Paul Manafort, ex-chefe de campanha do hoje presidente Donald Trump. Segundo fontes ligadas ao assunto, a operação tinha como objetivo coletar documentos e outros materiais.
"Agentes do FBI executaram uma busca em uma das casas de Manafort", disse em comunicado Jason Maloni, porta-voz do ex-chefe de campanha. Segundo a nota, Manafort tem cooperado com a Justiça e isso continua a ocorrer.
A busca ocorreu em 26 de julho na casa de Manafort em Alexandria, um subúrbio de Washington. Agentes do FBI realizaram uma busca um dia após Manafort se reunir com pessoas do Comitê de Inteligência do Senado. O jornal Washington Post noticiou nesta quarta-feira a operação na casa dele. Maloni não quis comentar mais o assunto.
Mueller e o FBI avaliam possíveis violações de leis de lobby e lavagem de dinheiro, segundo fontes ligadas ao assunto. Uma fonte disse que os agentes buscavam históricos detalhados relacionados a contas no exterior e registros de questões tributárias.
Manafort tem reafirmado que não fez nada de errado.
A realização de uma busca requer que promotores e agentes convençam um juiz federal de que há uma "causa provável" para acreditar que um crime tenha sido cometido.
Mueller foi nomeado pelo Departamento de Justiça para investigar a suposta interferência da Rússia na eleição de 2016. Moscou nega qualquer interferência e Trump qualifica as investigações como uma "caça às bruxas". 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia