Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de agosto de 2017. Atualizado às 00h18.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Diplomáticas

Notícia da edição impressa de 10/08/2017. Alterada em 09/08 às 20h28min

EUA intima Coreia a desistir de corrida armamentista

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, pediu ontem para a Coreia do Norte "abandonar a sua corrida armamentista nuclear" e afirmou que o país deve parar qualquer ação que levaria ao "fim de seu regime e à destruição de seu povo". A declaração é uma das mais fortes de Mattis em relação a Pyongyang. Antes, ele havia dito que os EUA poderiam responder à Coreia do Norte, mas que qualquer opção militar seria "trágica em escala inacreditável".
"As ações da Coreia do Norte continuarão a ser extremamente incompatíveis com a nossa, e o regime (norte-coreano) perderá qualquer corrida armamentista ou conflito que se inicie", disse Mattis em comunicado.
Segundo Mattis, o Departamento de Estado se esforça para solucionar a crise com a Coreia do Norte de forma diplomática. Ele ressaltou, entretanto, que os EUA e seus aliados contam com as capacidades defensivas e ofensivas mais "precisas, ensaiadas e robustas na Terra".
As trocas de ameaças entre os países acontecem após a perspectiva de que Pyongyang atingiu um estágio fundamental para se tornar uma potência nuclear. Na terça-feira, uma reportagem do jornal Washington Post dizia que o governo dos EUA tinha a informação de que a Coreia do Norte produziu uma ogiva nuclear miniaturizada, que poderia ser inserida em seus mísseis.
Mais cedo, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, negou que o país asiático seja uma ameaça iminente. A ideia era colocar "panos quentes" nas declarações do presidente Donald Trump de que os norte-americanos vão responder às ameaças norte-coreanas com "fogo e fúria".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia