Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 06 de agosto de 2017. Atualizado às 18h45.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

venezuela

06/08/2017 - 18h35min. Alterada em 06/08 às 18h48min

Assembleia Constituinte da Venezuela suspende sessão marcada para este domingo

Agência Brasil/EFE
A Assembleia Constituinte da Venezuela suspendeu a sessão que estava prevista para este domingo (6), quando seria instalada a chamada "Comissão da Verdade" para começar a estabelecer responsabilidades por fatos violentos nas manifestações contra o governo, que acusa a oposição. 
A suspensão da segunda sessão da Assembleia Nacional Constituinte (ANC) formada apenas por aliados do presidente Nicolás Maduro foi decidida depois da rebelião ocorrida hoje na Brigada 41 de Blindados do Batalhão Paramacay, na cidade de Valencia, um evento que, segundo o governo, já foi controlado pelas Forças Armadas. Por enquanto, a ação deixou uma pessoa morta, uma gravemente ferida e sete detidas.
A suspensão da reunião foi confirmada por fontes da Assembleia, que tomou posse na sexta-feira no Palácio Federal Legislativo, em Caracas, e que começou a trabalhar ontem. O primeiro ato foi a destituição da procuradora-geral venezuelana, Luisa Ortega Díaz, que tinha denunciado a Constituinte como uma tentativa de instaurar "um sistema totalitário".
Conforme anteciparam o presidente e vários integrantes da ANC - eleita em 30 de julho com a rejeição da oposição e da maioria dos países ocidentais - a Comissão deverá "acabar com a impunidade" de quem, segundo o governo, promoveu o "terrorismo" no país.
O próprio Maduro ameaçou com pena de prisão alguns líderes opositores por terem convocado as manifestações contra ele e contra a Constituinte. Os protestos, que acontecem desde o início de abril no país, já deixaram ao menos 121 pessoas mortas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia