Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 05 de agosto de 2017. Atualizado às 20h10.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

05/08/2017 - 17h06min. Alterada em 05/08 às 20h12min

Nova Assembleia Constituinte da Venezuela destitui procuradora-geral do país

Luisa Ortega chegou a apoiar Maduro, mas rompeu com ele com a explosão dos protestos

Luisa Ortega chegou a apoiar Maduro, mas rompeu com ele com a explosão dos protestos


Ronaldo SCHEMIDT/AFP/JC
A nova Assembleia Constituinte da Venezuela destituiu na tarde deste sábado (5) a procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega. A medida sinaliza a intenção do presidente do país, Nicolas Maduro, de avançar rapidamente contra seus opositores e consolidar seu poder em meio à grave crise política do país.
Durante a votação unânime pela saída de Luisa, gritos de "traidora" e "a justiça chegou" irromperam dos 545 delegados pró-governo. Eles declararam que a medida é uma reposta à decisão do Supremo Tribunal do país, que apoia o governo e ontem votou a favor de suspender a procuradora-geral. Luisa apoiou Maduro por muitos anos, mas rompeu com o presidente em meio à escalada dos protestos contra o governo em abril, que ela qualificou como a ruptura do mandatário com a ordem constitucional do país.
A oposição venezuelana diz que a Constituinte foi lançada por Maduro apenas para retirar poder da Assembleia Nacional, dominada pelos oposicionistas, e para perseguir quem é contra o governo. Na manhã deste sábado, Luisa divulgou que foi impedida de entrar na sede da Procuradoria-Geral por dezenas de guardas da força nacional. Ela alegou que integrantes do governo estavam desesperados para ter acesso a dossiês com informações sobre negócios ilegais realizados por funcionários do alto escalão do governo, incluindo detalhes sobre milhões de dólares pagos em subornos pela empreiteira brasileira Odebrecht.
"Sabe o que eles querem com isso? Querem esconder a corrupção e a violação de direitos humanos na Venezuela, que eu vou continuar a denunciar", disse a procuradora a jornalistas, fora do prédio da Procuradoria. Os delegados da Assembleia Constituinte votaram no nome de Tarek William Saab para substituir Ortega. Saab foi recentemente criticado pela administração Trump por não cumprir seu papel como principal representante da defesa dos direitos humanos na Venezuela, após não ter defendido manifestantes contra abusos do governo de Maduro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia