Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de agosto de 2017. Atualizado às 23h57.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

Notícia da edição impressa de 11/08/2017. Alterada em 10/08 às 20h48min

PF nega irregularidade em escuta no processo sobre barragem de Mariana

A Polícia Federal negou, nesta quinta-feira, irregularidades na escuta telefônica utilizada no processo criminal contra as mineradoras Vale, BHP Billiton, Samarco e Vogbr e contra 22 funcionários das empresas. O rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, no estado de Minas Gerais, administrada por elas, causou a morte de 19 pessoas em 5 de novembro de 2015.
Conforme a defesa do ex-presidente da Samarco, Ricardo Vescovi, e do ex-diretor de infraestrutura da empresa, Kleber Terra, o prazo dado pela Justiça para as gravações foi extrapolado, o que os levou a pedir o encerramento do processo. Segundo o delegado Roger Lima de Moura, a interceptação foi feita em dois períodos de 15 dias, mas com um intervalo, o que pode ter induzido a defesa a acreditar que o grampo vigorou por mais de 30 dias.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia