Entrevista com André Lopes, o O advogado cobra mensalidade e ajuda em contratos e registros Foto: JONATHAN HECKLER/JC

Advogado cria serviço só para cervejarias

A ideia é ajudar as marcas a se profissionalizar

Empreender na área jurídica não é tão comum, devido às limitações que o mercado exige. Pois, eis que do hobby de apreciar e produzir cervejas artesanais o advogado André Lopes, 29 anos, deu um jeito de inovar na sua área. Ele criou e incluiu aos serviços do escritório que toca com outros dois sócios o "Advogado Cervejeiro", braço que atua como consultoria jurídica de cervejarias artesanais.
Com a ideia de fomentar o mercado e a profissionalização das marcas locais, o Advogado Cervejeiro nasceu de uma percepção de demanda. Uma vez que a maioria das cervejarias artesanais começa em casa, o empreendedor notou que, em muitos casos, as empresas saem da garagem, mas permanecem com o trabalho amador.
"Não costumam fazer contratos para nada. A questão dos contratos é primordial", exemplifica, referente a fornecedores, prestadores de serviço, relações trabalhistas. E isso, com o tempo, acaba trazendo prejuízos que custam caro ao crescimento do negócio. Outra questão imprescindível que passa despercebida é o registro de marca.
Consumidor de cervejas artesanais desde 2009, André passou a atentar a esses detalhes devido à proximidade com o produto e aos mais de 600 rótulos que já experimentou - o que o levou a escrever artigos para blogs e se especializar no assunto.
A diferença é que, antes, ele não sabia como transformar isso num negócio e trazer para dentro do escritório. Bastaram um curso de empreendedorismo aplicado ao Direito e a vontade de empreender incubada por anos para que as coisas se materializassem.
"Nossa indústria cervejeira local tem muito potencial e peca em profissionalização. Minha intenção é fomentar o crescimento deste mercado como um todo", conta.
O serviço consiste em uma assessoria completa e acompanhamento continuado das empresas. A contratação custa R$ 500,00 mensais para empresas que produzam até cinco mil litros por mês.
Em atividade desde março de 2017, a primeira cliente do Advogado Cervejeiro foi a Edelbrau. Depois disso, outras também aderiram, como Irmãos Ferraro, Farrapos e Continente. A ideia é expandir Brasil afora. "Gostaríamos de ter ao menos um cliente em cada estado", projeta.
Uma coisa em que André deposita atenção pessoal é na divulgação e publicação nas redes sociais, como Instagram e Facebook.
"Eu tento beber só no fim de semana, mas nem sempre dá", brinca.

#BOM SABER

A Faculdade IDC oferece cursos de diferentes enfoques para profissionais do Direito. Entre eles, noções sobre empreendedorismo. 

Bastidores

Nos encontramos em um bar. A primeira pergunta da entrevista não tinha como ser outra: Por que diabos cervejarias precisam de um advogado?
Compartilhe
Seja o primeiro a comentar

Publicidade
Newsletter

HISTÓRIAS EMPREENDEDORAS PARA
VOCÊ SE INSPIRAR.

Receba no seu e-mail as notícias do GE!
Faça o seu cadastro.





Mostre seu Negócio