Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 12 de agosto de 2017. Atualizado às 17h07.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Série C

12/08/2017 - 17h08min. Alterada em 12/08 às 17h10min

Sem salários, atletas não entram em campo e Mogi Mirim perde por W.O. para o Ypiranga pela Série C

Apenas os jogadores do Ypiranga entraram a campo neste sábado no Estádio Vail Chaves

Apenas os jogadores do Ypiranga entraram a campo neste sábado no Estádio Vail Chaves


Ypiranga/Divulgação/JC
Último colocado no Campeonato Brasileiro da Série C, o Mogi Mirim também convive com a falta de dinheiro para pagar os salários de elenco, comissão técnica e funcionários. Já são sete meses de salários atrasados, que fizeram com que os jogadores do time paulista se recusassem a entrar em campo neste sábado contra o Ypiranga de Erechim, em partida válida pela 14ª rodada.
O duelo estava marcado para as 15h30min, no estádio Vail Chaves, em Mogi Mirim, no interior de São Paulo. Logo pela manhã, porém, o Sindicato de Atletas de São Paulo (Sapesp) emitiu nota dizendo que os jogadores do clube não entrariam em campo devido à falta de pagamento. Aliás, a entidade ainda confirmou que já na última sexta-feira a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) foi informada sobre o W.O..
A dívida do clube com os jogadores é de aproximadamente R$ 500 mil. Durante a semana, o presidente do Mogi Mirim, Luiz Henrique de Oliveira, disse que precisaria vender bens materiais do clube para ao menos quitar parte dos salários.
A diretoria se reuniu com o elenco por volta das 12 horas e iniciou uma negociação para que os jogadores entrassem em campo. A conversa se estendeu até 15 horas, quando alguns atletas recusaram uma das propostas do presidente e deixaram as dependências do estádio.
Outros ainda ficaram e até aceitariam entrar em campo para que o clube não perdesse por W.O. e viesse, no futuro, a ser punido com uma exclusão em competições oficiais. Mas acabaram convencidos pelos demais companheiros a não entrar em campo, selando de uma vez por todas a vitória do Ypiranga.
Confirmado o W.O., o Mogi Mirim deverá ser julgado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e poderá ser punido com, no mínimo, dois anos de exclusão em competições oficiais. A pena poderá aumentar, se for o entendimento dos relatores de um eventual julgamento.
O Mogi Mirim é o lanterna do Grupo B, com 10 pontos. Está cinco atrás do Bragantino, primeiro time fora da zona de rebaixamento. O Ypiranga, por sua vez, com a vitória chega aos 21 pontos e assume a vice-liderança.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia