Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de agosto de 2017. Atualizado às 18h27.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

grêmio

11/08/2017 - 17h55min. Alterada em 11/08 às 18h31min

Renato Portaluppi nega crise no Grêmio por saída de Espinosa

Renato evitou emitir opinião sobre a decisão da cúpula gremista

Renato evitou emitir opinião sobre a decisão da cúpula gremista


LUCAS UEBEL/GRÊMIO/FBPA/DIVULGAÇÃO/JC
O técnico do Grêmio, Renato Portaluppi, lamentou em entrevista coletiva nesta sexta-feira a demissão do coordenador de futebol do clube Valdir Espinosa, de quem é amigo pessoal desde os anos 1980 - ambos foram campeões da Copa Libertadores e Mundial Interclubes juntos pelo time tricolor gaúcho, em 1983 - e que mantinha uma dupla desde o retorno de ambos à equipe, em setembro do ano passado. No entanto, Renato evitou emitir opinião sobre a decisão da cúpula gremista.
"Sem dúvida fiquei triste, além de um grande profissional, é meu amigo particular. Mas tem coisas no clube que não cabe ao Renato decidir. Decido o grupo, em campo. No clube tem hierarquia. Estava trabalhando e fiquei sabendo após o treinamento do problema, que o Espinosa falou. Depois conversou comigo. Fica difícil até para mim falar muito. Mas existe uma hierarquia, eu sou empregado e não cabe a mim decidir certas coisas. Cabe à diretoria e ao presidente. E cabe a mim ter que acatar", frisou o treinador.
Renato Portaluppi também negou que a saída de Espinosa desencadeie uma crise dentro do clube em um momento crucial na temporada. "No Grêmio não tem crise. Enquanto estiver no Grêmio, não tem crise. A única crise que pode entrar no Grêmio é no momento que o clube não obter mais vitórias. No momento que os resultados não aparecerem, não pela saída do Espinosa. Podia ter sido a saída do Renato ou de qualquer outra pessoa", garantiu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia