Porto Alegre, segunda-feira, 11 de setembro de 2017. Atualizado às 21h21.

Jornal do Comércio

COMENTAR | CORRIGIR

TENDÊNCIAS

Notícia da edição impressa de 12/09/2017. Alterada em 11/09 às 21h22min

Decoração iluminada

Luz certa é fundamental para criar o clima desejado

Luz certa é fundamental para criar o clima desejado


CRISTIANO BAUCE/DIVULGAÇÃO/JC
Encarada muitas vezes como um aspecto técnico de uma construção ou reforma, a iluminação nem sempre é vista como parte da decoração. A luz certa, entretanto, é fundamental para criar o clima desejado ou evidenciar um elemento decorativo. Tanto que, atualmente, há profissionais que trabalham exclusivamente com luminotécnica, que é o estudo da implementação de iluminação artificial em ambientes externos e internos.
A especialista Sandra Thomé explica que, neste ramo, menos é mais. "A iluminação deve ser sutil, não se sobressair àquilo que se pretende iluminar", indica. Ela está atenta às tendências na área e já aponta algumas que se destacam dentro e fora do País.
"A iluminação linear no piso que se espelha no forro é bastante atual. Intimista, ela vem sendo utilizada fora do Brasil há algum tempo, e aqui é novidade", conta. Segundo Sandra, a luz linear é agradável, porque é antiofuscante, ou seja, não "machuca" os olhos. 
Na edição deste ano da Casa Cor RS, a iluminação preferida da especialista foi a do Grande Hall, assinado por Henrique Steyer. Minimalista, a luz linear refletiu nos feixes de bronze do chão, criando uma passarela por onde o visitante entrava na mostra. 
Outro destaque foi a iluminação contínua da Área de Serviço criada por Cristiani Mörschbächer e Karina Vescovi Lopes, que percorria paredes e pisos em linhas retilíneas e transversais. Foi utilizado um perfil de 10mm de LED, subindo através de um espelho.

Peças feitas em metais brilhantes

Cobre está em evidência e conversa com estilo industrial
Cobre está em evidência e conversa com estilo industrial
CRISTIANO BAUCE/DIVULGAÇÃO/JC
Entre as tendências em luminárias, as feitas em metais brilhantes, como o cobre, estão em evidência. O escritório de Daniel Wilges trouxe a novidade nas luminárias em latão dourado, desenhadas exclusivamente para o projeto Sky Lounge e executadas pelo Laboratório da Luz.
O arquiteto quis mostrar, ainda, outros efeitos modernos da luz e criou um teto que lembrava o céu. Ele descreveu o espaço como "naturalmente sensorial". "A escada em madeira natural é abraçada por um grande bloco revestido com espelhos que embute iluminações, cuja forma favorece efeitos visuais e amplitude de espaço", enfatizou Wilges. O projeto luminotécnico foi uma parceria com Eduardo Becker.
O metal conversa com o estilo industrial, bastante em voga neste ano, assim como as cúpulas pretas, presas ao teto ou não. Elas integraram a decoração de quartos, escritórios, salas de jantar e banheiros, entre outros espaços da Casa Cor RS. Na Cafeteria Decor & Moda, de Adriane Karkow, um dos destaques foi o metal rosé, em uma iluminação cênica.

Referências urbanas

Paredes grafitadas ganharam espaço em diversos projetos
Paredes grafitadas ganharam espaço em diversos projetos
CRISTIANO BAUCE/DIVULGAÇÃO/JC
Uma das grandes novidades da Casa Cor RS é o grafite nas paredes. Multicoloridos, representam verdadeiras obras de arte que se integram plenamente aos mais variados espaços. E não pense que a novidade agrada somente aos mais jovens. Ela está, sim, no Living Jovem, de Paula Schwartz, em uma tela de 10m², do design Jackson Brum. Porém marca presença, também, no Street Loft elaborado para homens bem-sucedidos, em uma parede clássica de boiseries, na obra de Erick Citron. "A base em diversos matizes de cinza é neutra e serve de fundo para uma mescla de cores intensas e pontuais", descreveu o responsável pelo ambiente, Sandro Jasnievez.
Com os ambientes externos, as paredes grafitadas têm ainda mais intimidade, exemplo do Deck elaborado pela W4 Arquitetura, que apresentou - em grafite delicado da Projetovhr - o rosto da blogueira Bru Tramontina.

Arte em toda parte

Esculturas em frente aos prédios viraram tendência
Esculturas em frente aos prédios viraram tendência
CRISTIANO BAUCE/DIVULGAÇÃO/JC
Não é preciso ir a lugares especializados para apreciar a arte. Ela pode estar nas paredes da sala, nos quartos, no hall, na cozinha, no banheiro e até na fachada do edifício. É reveladora do estilo, das referências e da personalidade dos moradores da casa.
Em Porto Alegre, a Lei nº 10.036/2006, que entrou em vigor em 2015, exige a colocação de obras de arte em novas construções que tenham área maior que 2 mil metros quadrados. "Com isso, a inclusão de obras de arte em frente aos prédios virou tendência entre os arquitetos e paisagistas, o que valoriza o imóvel", opina a diretora de Marketing da Decor e proprietária da Gravura Galeria de Arte, Regina Teitelbaum.
A galeria, inclusive, foi uma das fornecedoras da Casa Cor RS, com obras em 12 ambientes. O olhar artístico já começava na fachada do Petrópole Tênis Clube, no espaço denominado Jardim, Arte e Luz, de Soraia Pereira, com destaque para a escultura Ginastas de Pedro Girardello. "A arte é a cereja do bolo. Sempre vai valorizar o espaço", ressalta Regina. "Neste ano, ela aparece nas técnicas mais variadas, desde fotos até desenhos e pinturas em diferentes suportes, como papel, caixas e tecidos", completa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Antiga p agina Inicial

Acesse o caderno especial online