Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de agosto de 2017. Atualizado às 15h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

23/08/2017 - 14h54min. Alterada em 23/08 às 15h25min

Saques de contas inativas do FGTS injetaram R$ 10,8 bilhões no comércio

De março a julho, foram pagos mais de R$ 44 bilhões relativos às contas inativas do FGTS

De março a julho, foram pagos mais de R$ 44 bilhões relativos às contas inativas do FGTS


JONATHAN HECKLER/JC
Agência Brasil
Os recursos decorrentes de saques nas contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) geraram um impacto positivo de R$ 10,8 bilhões nas vendas do comércio varejista, entre março e julho deste ano. A estimativa é da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).
Segundo a CNC, o valor corresponde a 25% do total sacado (R$ 44 bilhões) e foi responsável por 1,4% das vendas do varejo no período.
Entre os oito segmentos do comércio varejista, o mais impactado pelos saques do FGTS foi o setor de vestuário e calçados, que recebeu R$ 4,1 bilhões. Também foram impactados os setores de hiper e supermercados (R$ 2,8 bilhões), artigos de uso pessoal e doméstico (R$ 1,3 bilhão) e móveis e eletrodomésticos (R$ 1,2 bilhão).
De março a julho deste ano, foram pagos mais de R$ 44 bilhões relativos às contas inativas do FGTS. Puderam sacar o benefício trabalhadores que tiveram contrato de trabalho encerrado sem justa causa até 31 de dezembro de 2015.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia