Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de agosto de 2017. Atualizado às 15h57.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 11/08 às 15h57min

Ouro fecha em alta em Nova Iorque, com dólar mais fraco e tensão geopolítica

O contrato futuro de ouro fechou em alta nesta sexta-feira (11), atingindo o maior nível desde o início de junho, ainda beneficiado pela maior demanda por ativos considerados seguros, após a escalada de tensões entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte. Além disso, o enfraquecimento do dólar continuou a favorecer os preços do metal precioso.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato pra dezembro fechou em alta de 0,30%, a US$ 1.294,00 por onça-troy.
O movimento ascendente nos preços do ouro ocorreu após o presidente americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, continuarem a trocar ameaças devido ao desenvolvimento do programa nuclear de Pyongyang. Na quinta-feira, Trump disse que talvez sua advertência anterior de "fogo e fúria" não tenha sido captada pela Coreia do Norte.
O metal precioso também foi ajudado pela desaceleração do dólar em relação a outras moedas fortes, como o euro e o iene. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos EUA teve alta de 0,1% em julho, na comparação com o mês anterior, enquanto analistas consultados pela Dow Jones Newswires esperavam alta maior, de 0,2%.
No entanto, para alguns analistas, se o risco geopolítico se dissipar, os ganhos recentes do ouro poderiam ser revertidos rapidamente. "Se a tensão arrefecer, esperamos que os preços do ouro recuem bem rapidamente", afirmou Caroline Bain, economista de commodities da Capital Economics.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia