Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de agosto de 2017. Atualizado às 15h02.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 11/08 às 15h06min

Bolsas da Europa caem, ainda com tensão entre EUA e Coreia do Norte

Os mercados acionários europeus fecharam novamente no vermelho nesta sexta-feira (11) alcançando o menor nível em cinco semanas, devido à renovação de ameaças entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a Coreia do Norte.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 1,09% (-4,10 pontos), aos 371,95 pontos. Na semana, o índice perdeu 2,77%.
Trump voltou a afetar os mercados globais, ao dizer, na tarde de quinta-feira, que talvez o alerta de "fogo e fúria" lançado contra a Coreia do Norte não tenha sido forte o suficiente e que Pyongyang deveria mudar sua postura "ou enfrentará problemas como poucas nações já tiveram". Ele disse, ainda, que o arsenal nuclear americano está em um "nível excelente", mas ponderou ao dizer que, se pudesse, gostaria de desnuclearizar o mundo.
A troca de farpas entre Washington e o regime de Kim Jong-un renovou os temores dos investidores, e fez com que uma fuga para ativos de segurança se desencadeasse nesta semana. Em vez de ações, metais preciosos, como o ouro, e moedas como o iene e o franco suíço tiveram forte procura.
Único indicador relevante do dia, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da Alemanha subiu 0,4% em julho ante junho e registrou alta de 1,7% na comparação anual, segundo dados finais publicados pela agência de estatísticas do país, a Destatis. O resultado veio em linha com as expectativas de analistas consultados pelo Wall Street Journal e com as estimativas preliminares, que foram divulgadas no fim de julho.
Em Londres, o índice FTSE-100 fechou em queda de 1,08%, aos 7.309,96 pontos. Na semana, as perdas foram de 2,69%. Entre os bancos, o Lloyds caiu 0,29%, o Barclays baixou 2,66% e o HSBC recuou 1,68%. Já o índice DAX, da bolsa de Frankfurt, fechou estável, aos 12.014,06 pontos. Enquanto bancos como Deutsche Bank (-1,39%) e Commerzbank (-1,60%) recuaram, a E.ON apresentou ganhos de 1,52%. Na semana, o DAX perdeu 2,31%.
Na bolsa de Milão, o índice FTSE-Mib apresentou baixa de 1,51%, aos 21.354,02 pontos, com queda semanal de 2,65%. Entre os bancos, Intesa Sanpaolo perdeu 1,04% e o Unicredit cedeu 1,13%. Já o índice CAC-40, da bolsa de Paris, fechou em queda de 1,06%, aos 5.060,91 pontos, com baixa semanal de 2,74%. O Société Générale fechou com recuo de 1,41% e o BNP Paribas teve perda de 1,50%.
O índice Ibex-35, da bolsa de Madri, fechou em queda de 1,60%, aos 10.282,90 pontos, com perda semanal de 3,52%. Já em Lisboa, o índice PSI-20 cedeu 0,97%, aos 5.201,59 pontos, com baixa semanal de 0,98%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia