Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de agosto de 2017. Atualizado às 10h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Telefonia

11/08/2017 - 10h53min. Alterada em 11/08 às 10h53min

Anatel determina apresentação de plano de recuperação judicial da Oi reformulado

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) determinou um prazo de 15 dias para que a operadora Oi apresenta versão reformulada do plano de recuperação judicial. O prazo conta a partir de ofício expedido pela agência reguladora e assinado pelo presidente Juarez Quadros em 7 de agosto - o qual foi recebido pelo presidente do conselho de administração da tele no último dia 9 e divulgado ao mercado na noite da quinta-feira (11), pela empresa.
Após reunião com executivos da Oi, no dia 1º de agosto, o conselho diretor da Anatel entendeu ser necessário, entre outros pontos, demonstrar que a empresa tem condições de obter outras fontes de capital no mesmo montante previsto pelos bondholders ou oferecer garantia jurídica ao proposto. O montante que está sendo discutido é de R$ 8 bilhões por meio de aumento de capital ou aporte financeiro direto, como informou a companhia à Anatel.
Na última quarta-feira, o presidente da Oi, Marco Schroeder, afirmou em entrevista ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) que está em estudo a divisão em três parcelas, sendo duas de R$ 3 bilhões e uma de R$ 2 bilhões. A primeira delas seria direcionada principalmente para bondholders, com o valor de R$ 3 bilhões. Haveria outra de R$ 2 bilhões para os acionistas subscreverem e uma última de R$ 3 bilhões para credores que quiserem trocar a dívida por capital.
"As condições do aumento de capital de R$ 8 bilhões estão sendo discutidas", afirmou o executivo na ocasião. A primeira delas seria direcionada principalmente para bondholders, com o valor de R$ 3 bilhões. Haveria outra de R$ 2 bilhões para os acionistas subscreverem e uma última de R$ 3 bilhões para credores que quiserem trocar a dívida por capital da companhia. A Anatel quer ver ainda no documento reformulado do plano de recuperação alternativa de aporte de capital além da proposta de conversão de bonds.
O terceiro ponto da notificação é que o plano contemple "condições viáveis de aporte imediato de capital ou em prazo menor do que o previsto no plano apresentado", e segue com outra exigência, de "garantias de realização e fiabilidade temporal do aporte". O último ponto é que a Oi esclareça sobre o interesse e viabilidade de quitação da dívida perante a Anatel por meio da MP 780 - que cria um Refis específico para parcelamento de débitos não tributários de empresas e pessoas físicas com autarquias federais.
Pelos cálculos da Oi, a dívida é de R$ 13,3 bilhões, os quais seriam quitados da seguinte maneira: R$ 6,1 bilhões por Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) e os demais R$ 7,3 bilhões com o Programa de Regularização de Débitos Não Tributados (PRD).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia