Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de agosto de 2017. Atualizado às 13h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Notícia da edição impressa de 11/08/2017. Alterada em 10/08 às 21h35min

Negociações do Estado com a União foram 'emperradas'

Thiago Copetti
A bancada gaúcha do PMDB na Câmara dos Deputados teve que entrar em campo, nesta quinta-feira, para resolver o "mal estar" causado pela decisão do governador José Ivo Sartori de suspender, em agosto, o pagamento da parcela da dívida que tem com a União e entrar com medida cautelar no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir o bloqueio de repasses federais por inadimplência. Tomada em meio às negociações para que o Rio Grande do Sul possa aderir ao Programa de Recuperação Fiscal dos Estados, a decisão gaúcha teria "magoado" os técnicos do Tesouro Nacional, segundo o vice-líder do governo na Câmara dos Deputados, Darcísio Perondi (PMDB-RS).
"Desde então, as negociações do Estado com o Tesouro Nacional emperraram. Eles ficaram chateados, magoados, porque o Estado exerceu o seu direto constitucional. Precisou o presidente (Michel) Temer entrar na discussão e no encontro com Ana Paula Vescovi (secretária do Tesouro Nacional), e distensionar as coisas", explicou Perondi.
Os técnicos do Tesouro, segundo Perondi, teriam passado a emperrar a tentativa de acordo com a União para adesão ao programa de recuperação, encaminhando ao STF documento afirmando que o Rio Grande do Sul não se encaixa nos três requisitos básicos para fazer a adesão: grave situação fiscal, com mais de 70% do orçamento comprometidos com serviço da dívida e gasto de pessoal; dívida maior que a receita; e caixa disponível menor que as despesas.
"Ocorre que os próprios técnicos haviam confirmado, em fevereiro, que todos esses três itens valiam para o Rio Grande do Sul, e temos esse documento. Fizeram isso por mágoa. Mas, na terça-feira, saem os novos dados federais, inclusive, que comprovam os 70% de orçamento comprometido, que disseram não ser o caso do Rio Grande do Sul", afirma Perondi, lamentando que o Estado tenha precisado regredir nas negociações devido a questões políticas e emocionais, e não técnicas.
Além de Perondi, participam da reunião os deputados Alceu Moreira (PMDB-RS), Jones Martins (PMDB-RS) e Mauro Pereira (PMDB-RS); o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles; o secretário adjunto da Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul, Luis Antônio Bins; e o diretor da Junta Financeira da Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul, Flávio Pompermayer.
A reunião foi produtiva, segundo Perondi, e rompeu a resistência dos técnicos do Tesouro. No dia 17, um novo encontro deve ser realizado para retomar as negociações.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Redação JC 11/08/2017 13h23min
Caro Fábio, verificamos no sistema que até esta manhã você havia postar 10 comentários no site, apenas 1 foi vetado. O que acontece é que o comentário está sujeito a moderação e pode demorar algumas hora para ser aprovado - como foi o caso. Pedimos desculpas e paciência.
GENESIO PEDRO BONDAN 11/08/2017 11h39min
senhores não se podem vender o rgs, e um absurdo que estão exigindo, cade a lei Kandir?
Fabio 11/08/2017 09h57min
Eu gostaria de saber por que meus comentarios nao sao publicados?? ha algo de errado com eles ou voces tem algum tipo de preconceito? Do que adianta a gente criticar a RBS e sugerir a amigos procurer meios alternativos de informacao? Voces sao um bando de covardes. Jornalzinho de quinta catergoria. Nao so nao acesso mais o site de voces como vou desencorajar a todos de ler esse folheto de que de jornalistico nao tem nada. so posta reportagens da folha de sao Paulo e nao tem jornalistas de verdad
Fabio 11/08/2017 09h07min
Engracado que quando a pauta e o rio de janeiro. nao so nao ha problemas desse genero como aprovam ajudas substanciais para aquele estado com dinheiro publico federal. Entao nao a gente tem que mandar dinheiro pra pagar a 'divida'do rio de janeiro como temos que fazer magica pra pagar nossa policia. que pais e esse do qual fazemos parte? nao seria melhor sairmos???? e muito dificil ver isso??