Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de agosto de 2017. Atualizado às 11h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 10/08 às 11h35min

Após abertura negativa de Nova Iorque, Bovespa intensifica perdas

A Bovespa abriu em queda moderada e intensificou as perdas após a abertura do mercado de ações à vista em Nova Iorque. A tensão entre EUA e Coreia do Norte mantém alerta o investidor, que busca ativos de proteção.
Às 10h49min, o Ibovespa caía 0,69% aos 67.203 pontos. Dow Jones caía 0,46%. S&P500 recuava 0,59%. Nasdaq tinha queda de 0,84%.
Um destaque na Bolsa nesta quinta-feira (10) e que limita as perdas do indicador é a ON do Banco do Brasil. Perto da abertura, a ação subia 1,10% após a estatal divulgar lucro líquido ajustado de R$ 2,649 bilhões no segundo trimestre deste ano, cifra 47,1% maior que a registrada no mesmo intervalo do ano passado.
O BTG Pactual avaliou os números como em linha ao previsto, mas destacou a redução de gastos, que devem compensar a margem financeira "um pouco pior neste ano".
Sobre o ajuste fiscal, a Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado reforçou, em Relatório de Acompanhamento Fiscal (RAF) divulgado nesta quinta, a avaliação de que o atual objetivo de déficit primário de R$ 139 bilhões este ano é "impossível" de ser alcançado.
O documento revisou a projeção de rombo nas contas públicas de R$ 144,1 bilhões - já acima da meta - para R$ 156,2 bilhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia